Mundo

Líbia: ONU está preocupada com incidentes no Leste

A Missão de Apoio das Nações Unidas na Líbia (MANUL) declarou-se, hoje, preocupada, com informações sobre o “uso excessivo” da força pelas autoridades, no Leste do país, no fim de semana, contra manifestantes pacíficos, na cidade de al-Marj.

Fotografia: DR

Segundo um comunicado da MANUL, divulgado em Tripoli e ao qual a Efe teve acesso, na sequência desse incidente teria morrido uma pessoa e bem como se teria verificado a detenção de vários manifestantes. No documento, a MANUL pede uma investigação completa e imediata sobre a ocorrência e a rápida libertação de todos os que foram presos ou detidos arbitrariamente.

Também lembra a todas as partes líbias que os direitos a uma reunião pacífica e à liberdade de expressão são direitos humanos fundamentais, que se enquadram nas obrigações da Líbia, em virtude dos direitos humanos.

De acordo com a MANUL, estes protestos e aqueles que foram observados recentemente em outras partes da Líbia são movidos “por uma profunda frustração, devido às más condições de vida, à falta de energia e água, à corrupção galopante, à governação deficiente e à falta de empregos em todo o país”. />
A MANUL pediu o levantamento urgente do bloqueio petrolífero e o regresso das partes desavindas a um processo político completo e inclusivo favoráveis às aspirações do povo líbio à formação de um governo representativo, com dignidade e paz.

O Governo interino, instalado no Leste da Líbia mas não reconhecido pela comunidade internacional, apresentou, domingo a demissão ao presidente do Parlamento, Águila Saleh, numa altura em que eclodiram manifestações na região para denunciar a deterioração das condições de vida e a falta de acesso aos serviços básicos.

Aquela missão saudou, ainda, o facto da Tunísia ter formalizado a nomeação do diplomata Lassaad Ajili como seu novo embaixador, na Líbia, reabrindo, assim, a missão que estava encerrada desde Outubro de 2014, devido à deterioração da situação de segurança, na Líbia, marcada pelo sequestro de dois diplomatas tunisinos.

Tempo

Multimédia