Mundo

Macron dá luz verde a desconfinamento total e anuncia plano para economia

O Presidente francês anunciou ontem o desconfinamento total em todo o território continental, levantando as restrições por causa da Covid-19, e elegeu como prioridade construir uma economia "forte, ecológica, soberana e solidária".

Presidente da França, Emmanuel Macron
Fotografia: DR

Com esta medida, restaurantes e bares podem voltar a acolher clientes em Paris já esta segunda-feira e escolas até ao ensino secundário vão abrir a 22 de Junho em todo o território. "A luta contra a epidemia não terminou, mas esta é uma primeira vitória", afirmou  Emmanuel Macron numa mensagem aos franceses através da televisão.

O Presidente deu assim luz verde ao desconfinamento total - excepto os territórios ultramarinos da Maiote e da Guiana -, com a reabertura dos cafés, restaurante e bares que até agora podiam ter só esplanadas em Paris e o regresso obrigatório à escola a partir de 22 de Junho. A segunda volta das eleições municipais de 28 de Junho foi confirmada pelo Presidente francês, mantendo a data de 28 de junho para cerca de 5.000 municípios que ainda não têm um novo executivo.

No entanto, Macron lembrou que o vírus ainda circula e que, por isso, as aglomerações de pessoas serão ainda controladas (embora sem precisar se o número máximo para um grupo vai continuar a ser de 10 pessoas). O Presidente lançou também os pilares da sua governação para os próximos dois anos de mandato e até para a próxima década.

"A economia mundial quase parou (durante a epidemia). A nossa primeira prioridade é, desde logo, reconstruir uma economia forte, ecológica, soberana e solidária", indicou, recordando que o Governo francês pretende financiar esta nova economia em 500 mil milhões de euros e garantindo que esse investimento não se vai traduzir num aumento de impostos.

Assim, Macron disse que França vai daqui para a frente "construir um modelo económico durável, de trabalho e produção" que não dependa dos outros, num discurso em que a independência do país foi uma constante. A economia francesa deverá ser "forte, ecológica, soberana e solidária". Segundo o Presidente, este plano de reconstrução "vai fazer-se com a Europa" e com mais Estados a juntarem-se à possibilidade de empréstimos conjuntos entre a França e a Alemanha.

Emmanuel Macron quer ainda mais descentralização do poder de Paris para o resto do território francês, lançando até Julho várias consultas com a Assembleia Nacional, o Senado e o Governo para encontrar novas soluções para dar mais poder aos eleitos locais. O Presidente vai voltar a falar aos franceses em Julho, após serem conhecidos os resultados da segunda volta das eleições municipais.

Tempo

Multimédia