Mundo

Macron é contra planos de Israel

O Presidente francês pediu ao Primeiro-Ministro israelita, Benjamin Netanyahu, que renuncie aos planos de anexar territórios palestinianos, um compromisso que pode prejudicar a paz, de acordo com Emmanuel Macron, anunciou o Palácio do Eliseu.

Presidente da França, Emmanuel Macron.
Fotografia: DR

“Macron lembrou o compromisso da França com a paz no Médio Oriente e pediu a (Netanyahu) que se abstivesse de adoptar qualquer medida para anexar territórios palestinianos.

O Presidente sublinhou que tal medida seria contrária ao direito internacional e pode comprometer a possibilidade de uma solução de dois Estados, como o estabelecimento de uma paz justa e duradoura entre israelitas e palestinianos”, lê-se num comunicado, redigido depois de uma conversa telefónica entre os dois líderes, na quinta-feira.

Segundo o acordo concluído entre Netanyahu e o ex-rival Benny Gantz, o Governo de unidade pode decidir sobre a aplicação do plano norte-americano para o Médio Oriente, que prevê a anexação, por Israel, do vale do Jordão e de colónias judaicas estabelecidas na Cisjordânia, território palestiniano que o Estado hebreu ocupa desde 1967.

Paris alertou Israel no final de Junho, contra essa anexação, o que afastaria as relações com a União Europeia e sublinhou que Paris permanece determinada a reconhecer o Estado palestiniano “quando chegar a hora”. Na terça-feira, França, Alemanha, Egipto e Jordânia instaram Israel a abandonar o projecto, pela voz dos ministros dos Negócios Estrangeiros.

O Reino Unido também se manifestou contra o projecto, sobre o qual as autoridades israelitas têm “uma janela de fogo” por alguns meses, até às eleições norte-americanas, fontes de incerteza para a manutenção do apoio norte-americano, já que o candidato democrata Joe Biden se opõe à anexação.

Na reunião de quinta-feira, Macron “reiterou o compromisso inabalável da França com a segurança de Israel e a determinação em trabalhar para aliviar as tensões no Médio Oriente”, tendo exprimido “o apego à amizade e à confiança que une França e Israel”, segundo a Presidência.

Tempo

Multimédia