Mundo

Madagáscar oferece ao Níger medicamento tradicional contra o coronavírus

Ismagail Annar, chefe de pessoal do Ministério da Saúde, recebeu o lote de produtos oferecidos por Madagáscar", disse Souley Zabérou, do ministério nigerino, citado pela agência noticiosa France-Presse.

Fotografia: DR

Os produtos estão embalados em saquetas prontas para serem "administradas, sob a forma de infusão" e são para "tratar 900 pessoas: 300 pacientes já contaminados e mais 600, como medida preventiva", afirmou.

"Covid-Organics" é uma bebida feita a partir de artemísia, uma planta com eficácia comprovada no tratamento da malária, assim como outras ervas que crescem em Madagáscar.

O Presidente de Madagáscar, Andry Rajoelina, elogiou as virtudes curativas e preventivas deste produto contra o novo coronavírus.

Contudo, a eficácia da Covid-Organics contra o novo coronavírus não foi objecto de qualquer estudo científico publicado.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) salienta que ainda não foi testada a eficácia e segurança deste tratamento contra o novo coronavírus.

O Níger é o terceiro país africano a receber o medicamento tradicional, depois da Guiné-Bissau e da Guiné Equatorial, na semana passada.

O Níger divulgou na segunda-feira os últimos dados da pandemia de covid-19 no país, segundo os quais já morreram 37 pessoas por causa da doença, entre as quais o ministro do Emprego e do Trabalho, Mohamed Ben Omar, que faleceu no domingo, e há registo de 755 casos de infecção pelo novo coronavírus.

O Níger declarou o estado de emergência, fechou as fronteiras, os locais de culto e as escolas e isolou a capital do resto do país.

No final de Abril, à medida que o Ramadão se aproximava, houve vários protestos contra o recolher obrigatório e a proibição das orações colectivas, que abalaram vários bairros de Niamey.

Foram presas mais de 200 pessoas, das quais 10 numa prisão de alta segurança perto da capital. Desde então, o Governo decidiu "relaxar" as horas do recolher obrigatório.

O número de mortes provocadas pela covid-19 em África subiu para 1.843, com mais de 47 mil casos da doença registados.

Ainda de acordo com os dados da África CDC, a pandemia afecta 53 dos 55 países e territórios de África, com cinco deles -África do Sul, Argélia, Egito, Marrocos e Nigéria - a concentrarem cerca de metade das infecções pelo novo coronavírus e mais de dois terços das mortes associadas à doença.

Tempo

Multimédia