Mundo

Morto em combate um "capacete azul"

Um militar da Missão de Estabilização das Nações Unidas na República Democrática do Congo (MONUSCO) morreu na sequência de um ataque de supostos rebeldes do Uganda contra o Exército de Kinshasa.

Capacetes Azuis intervêm em auxílio dos militares da RDC
Fotografia: Sylvain Liechti

As Forças Armadas da RDC foram atacadas na segunda-feira por alegados membros dos Aliados da Frente Democrática num posto militar na zona de Beni, norte do país, a cerca de 500 quilómetros da base da MONUSCO.
Os soldados da ONU intervieram em auxílio dos militares da RDC e durante o combate um militar das Nações Unidas, das forças da Tanzânia, foi atingido por disparos e morreu pouco depois. Um outro capacete azul, também da Tanzânia, ficou ferido e foi transportado para as instalações médicas da MONUSCO. Através de um comunicado, a missão da ONU diz-se “profundamente atingida pela perda de um membro das forças de paz” e transmitiu as condolências à família e ao governo da Tanzânia.
A MONUSCO foi criada em 1999. Um dos principais objectivos da missão é o combate contra o grupo Aliados da Frente Democrática, uma das organizações armadas que continuam a activas na RDC, após o desarmamento de 2014 do grupo M23, que chegou a controlar uma parte da região de Beni.
A organização Aliados da Frente Democrática está activa desde 1996, altura em que iniciou acções armadas no distrito de Kasese, no oeste do Uganda, tendo depois expandido as campanhas a várias zonas junto à fronteira com a RDC.

Tempo

Multimédia