Mundo

OMS preocupada com retenção de informações sobre possíveis casos de Ébola na Tanzânia

A Organização Mundial de Saúde (OMS) acusa a Tanzânia de não dar informações sobre suspeitas de casos de Ébola no país, com o risco de dificultar a luta contra a propagação do vírus.

Num comunicado publicado no sábado e hoje noticiado pela Agência France-Presse, a OMS afirma que soube, a 10 de Setembro, que um suposto caso de Ébola tinha sido relatado em Dar es-Salaam.

As pessoas próximas daquele paciente, para quem o teste de despistagem para a febre hemorrágica deu positivo, foram colocadas em quarentena, indica a OMS, que adianta que dois outros casos suspeitos foram relatados oficiosamente.

“Apesar de vários pedidos, a OMS não recebeu mais detalhes das autoridades da Tanzânia sobre aqueles casos”, lamenta o comunicado. Em 14 de Setembro, as autoridades da Tanzânia asseguraram oficialmente que não existia Ébola no país, recusando um “teste de confirmação secundária” num centro da OMS, de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU) para a saúde.

Depois, em 19 de Setembro, a OMS foi informada de que uma pessoa com quem o paciente tinha tido contacto estava doente e hospitalizada. “Até ao momento, os detalhes clínicos e os resultados da investigação, incluindo os testes laboratoriais realizados para um diagnóstico diferencial daqueles pacientes, não foram comunicados à OMS”, indica o documento.

Os países da África Oriental estão em estado de alerta após a epidemia de Ébola na República Democrática do Congo, vizinha da Tanzânia, que matou mais de 2.100 pessoas em pouco mais de um ano.

 

Tempo

Multimédia