Mundo

ONU diz que a pandemia deverá gerar mais 176 milhões de pobres

Os governos orçaram no total cerca de 589 mil milhões de dólares para protecção social na actual crise, o que representa cerca de 0,4% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial, mas a análise do relator, ontem divulgada, considera que essas iniciativas não vão impedir o aumento da pobreza.

Fotografia: DR

Esse aumento pode chegar a 176 milhões de pessoas, se a linha de pobreza for considerada para rendimentos abaixo de 3,2 dólares por dia, avisou Olivier De Schutter, um académico jurídico belga, nomeado pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU como relator especial sobre a pobreza extrema e direitos humanos.

De Schutter indicou também que muitas comunidades necessitadas podem estar a ser excluídas dos planos de protecção, devido a pormenores como o facto de muitos programas solicitarem que os beneficiários se registem pela Internet, meio a que muitas famílias de baixos rendimentos não têm acesso.

Outros programas colocam “condições impossíveis de satisfazer” por pessoas em condições de trabalho precárias ou sem residência permanente, como é o caso de muitos trabalhadores migrantes ou do sector informal (61% da força de trabalho mundial), denuncia o relator belga.
“As piores consequências da crise sobre a pobreza ainda estão por vir”, previne o relator das Nações Unidas, que também lamenta que muitos dos programas de protecção social já estejam a ser abandonados ou não possam ser renovados caso o partido político dos governos mude em futuras eleições.

Face à situação e às vésperas da Assembleia-geral das Nações Unidas, que reunirá vários líderes mundiais em teleconferência, o relator pediu aos representantes dos vários países que reforcem os planos de ajuda aos grupos mais vulneráveis, “com base em princípios de direitos humanos”.
O relator considerou ainda que a desaceleração económica resultante da pandemia não tem precedentes em tempos de paz desde a Grande Depressão da década de 1930.
“As famílias pobres já esgotaram todas as reservas que possuíam e venderam os seus activos”, disse, sublinhando que “os piores impactos da crise sobre a pobreza ainda estão por vir”.
As medidas para combater a pandemia paralisaram sectores inteiros da economia mundial e levaram o Fundo Monetário Internacional (FMI) a fazer previsões sem precedentes nos seus quase 75 anos: a economia mundial poderá cair 4,9% em 2020, arrastada por uma contracção de 8% nos Estados Unidos, de 10,2% na zona euro e de 5,8% no Japão.

Tempo

Multimédia