Mundo

Pedro Sánchez apresenta o programa do Governo

O líder socialista espanhol, Pedro Sánchez, prometeu apresentar propostas para um Governo “progressista, europeísta, ecologista e feminista” antes do discurso de investidura.

Primeiro-Ministro interino, líder socialista procura convencer rivais políticos nos debates
Fotografia: DR

 Contudo, quase três meses após a vitória eleitoral sem maioria, chegou ontem ao Congresso espanhol sem ter finalizado um pacto com a aliança Unidas Podemos, cujos votos precisa para deixar de ser Primeiro-Ministro interino e dar início a uma nova legislatura.
Antes de discursar diante dos deputados, Sánchez pediu nas redes sociais “responsabilidade” para que a Espanha “continue a avançar”: “em justiça social, em convivência, em limpeza democrática”, e prometeu apresentar propostas para um Governo “progressista, europeísta, ecologista e feminista.”
“Em 1979, há 40 anos, celebrou-se o primeiro debate de investidura”, lembrou Sánchez, dizendo que não havia os buracos de bala no tecto no hemiciclo (restos da tentativa de golpe do 23 de Fevereiro de 1981) e o espaço estava cheio de fumo do taba-co dos deputados, na sua maioria homens. “Passou muito tempo, mas o ritual de investidura continua a ser o mes-mo”, explicou, dizendo que vai “solicitar a confiança, apelar à responsabilidade e à generosidade” dos deputados, para acabar com o bloqueio em Espanha.
Sánchez defende que Espanha é hoje “uma democracia plena que contribui para o fortalecimento do nosso projecto comum, que é a Europa”. E que, nas urnas, os espanhóis o que fizeram foi “avançar e não retroceder”. E conseguiu o primeiro aplauso da Câmara quando disse que o mandato que os eleitores deram foi o de “avançar e repudiar com todas as nossas forças toda a tentativa de banalização da violência que sofre a metade da população pelo facto de ser mulher”.
Sánchez oferece um primeiro “pacto de Estado”, referente a uma reforma eleitoral. “Os cidadãos não de-vem nunca mais sofrer uma ameaça de repetição eleito-ral. Com uma votação basta”, defendeu.
O líder socialista propõe “um Governo que crie pontes e olhe para a frente”.

Desafios
Sánchez defende que há “seis desafios onde Espanha joga o presente e futuro mais imediato”. Um deles responde à principal preocupação dos cidadãos: “o emprego digno e a sustentabilidade das pensões”. “O segundo desafio tem a ver com a revolução tecnoló-
gica”, defende Sánchez, alertando para o facto de 21,7 por cento dos empregos em Espanha estarem em risco de automatização e de desaparecerem. Defende que o país lidere a revolução digital na Europa.
O terceiro desafio enumerado por Sánchez são as alterações climáticas, lembrando que este é um desafio global mas que Espanha está “especialmente exposta”. O líder socialista quer que a Espanha lidere a luta contra as alterações climáticas, “convertendo este desafio numa oportunidade de prosperidade e progresso seguro para o conjunto da sociedade espanhola”.
O quarto desafio é a igualdade “real e efectiva” entre homens e mulheres, com Sánchez a falar nos números trágicos da violência de géne-ro, que, em 2018, representou quase um quinto dos homicídios registados em Espanha e que, numa década, houve mais de mil mulheres assassinadas. “Este flagelo tem um nome, violência machista, não tem apelido ou eufemismo, é cometido em casa ou numa manada. Quem quiser inventar conspirações, que tenha algo claro: vão ter-nos pela frente”, disse, novamente aplaudido.
O quinto desafio de que Sánchez fala é a desigualdade social: “Vivemos numa socie-
dade que não dá as mesmas oportunidades a todos e não é certo que a desigualdade seja consequência da falta de mérito”, afirmou, falando, por exemplo, da “insuportável taxa de pobreza infantil” que afecta 26 por cento dos menores. E reitera que quer Espanha “na primeira linha da luta contra a desigualdade social”.
O sexto e último desafio é a posição global, defendendo a protecção da Europa, dos seus ideais, valores, de um modelo social único no mundo. “Todos os países europeus juntos somos um gigante”, defende, falando da Europa como o “espaço no qual se superam os nacionalismos que levaram a duas guerras mundiais”. E acrescenta: “Europa é paz”.
E faz uma referência à Catalunha, sem mencionar directamente. “Que sentido tem fomentar a desunião, a desagregação, a divisão dentro de Espanha quando precisamos de mais União Europeia?”, questiona Sánchez. “A superação das nossas tensões territoriais derivará de um projecto colectivo de inspiração europeísta”, acrescentou.
O líder socialista propõe, nesta legislatura, começar a “segunda grande transformação em Espanha”. Sánchez diz que Espanha construiu “um dos sistemas de saúde mais eficientes do mundo”, mas que diante dos novos desafios propõe uma aposta na Educação.

Tempo

Multimédia