Mundo

Polícia espanhola desmantela rede de tráfico de pessoas

Uma rede criminosa dedicada ao tráfico de seres humanos e ao sequestro de menores estrangeiros não acompanhados em centros de protecção foi desmantelada pela Polícia espanhola, em colaboração com a Europol.

A rede criminosa também fazia tráfico de haxixe, contrabando de tabaco e espécies de caça,
Fotografia: DR

A notícia foi divulgada hoje pela Polícia Nacional Espanhola, que explicou que a rede raptava crianças de centros de protecção de menores, dando como exemplo uma criança do Mali, que foi retirada de um centro em Almeria, no Sul de Espanha.

A maioria das crianças tinha como destino cidades em França e na Bélgica, segundo o comunicado divulgado na página oficial na Internet do Corpo Nacional de Polícia.

A rede criminosa usava autocarros de empresas localizadas em Marrocos, Espanha e França e o ponto de partida era sempre o porto de Almeria. Segundo a Polícia, a rede trabalhava com "especialistas" em diferentes nacionalidades: marroquinos, argelinos, malianos e sírios.

Durante a operação policial, 29 pessoas foram detidas. Além do sequestro de crianças, os detidos são acusados de favorecer a imigração clandestina, pertencer a organizações criminosas e de crimes contra a saúde pública, lê-se no comunicado da Polícia.

Quanto à imigração clandestina, era também do porto de Almeria que capturavam os imigrantes acabados de chegar à Europa. Uns eram transportados de autocarro até França ou Bruxelas, sendo-lhes cobrado até três vezes mais do que a um passageiro comum.

Outros eram colocados em quartos sobrelotados em troca de valores elevados. Os autocarros partiam de Almeria com destino a duas cidades - Estrasburgo (França) ou Bruxelas (Bélgica) -- mas durante as viagens havia inúmeras paragens ao longo da costa do Mediterrâneo para apanhar outros imigrantes.

Estas paragens, conhecidas como "bilheteiras black", estavam localizados em hotéis ou em "call centers" conhecidos dos imigrantes. Segundo a Polícia Nacional, os detidos profissionalizaram o negócio nas estações de autocarros de Madrid, Barcelona e Múrcia, "com sólidos contactos criminais, através dos quais angariavam passageiros ilegais e menores estrangeiros que estavam sozinhos".

Dados da Polícia davam conta que quando os autocarros chegavam a La Junquera, localidade próxima da fronteira francesa, os passageiros irregulares eram separados em grupos e continuavam a viagem de táxi até à primeira estação de serviço em França, onde voltavam a entrar no autocarro para seguir viagem.

Para desmantelar a rede criminosa foi montada uma operação policial que realizou em simultâneo 14 acções em residências e instalações: seis em Almeria, três em Múrcia, uma em Alicante, duas em Barcelona, uma em Tarragona e uma em França.

Dos 29 detidos, 26 foram presos em Espanha (11 em Almeria, cinco em Múrcia, três em Alicante e em Barcelona, dois em Valência, um em Tarragona e um outro em Bilbao) e três em França.

A Polícia apreendeu também mais de 33 mil euros, equipamentos de informática e mais de 200 quilos de haxixe. Para "diversificar o negócio e obter mais benefícios financeiros", a rede criminosa também fazia tráfico de haxixe, contrabando de tabaco e espécies de caça, escondendo as mercadorias em buracos feitos para esse fim.

Tempo

Multimédia