Mundo

Polícia pede desculpa por deter jornalistas chineses

A Polícia queniana pediu desculpa  por ter detido, em Nairobi, jornalistas chineses do canal CGTN (China Global Television Network), noticiou a agência de notícias Xinhua.

Porta-voz da Polícia falou de operação contra os ilegais
Fotografia: DR

A Polícia informou que realizou uma incursão aos escritórios do CGTN em Nairobi, durante a qual vários jornalistas e membros do pessoal desta estação chinesa fo-ram detidos sob pretexto de que estariam a trabalhar ilegalmente no Quénia.
Charles Owino, porta-voz da Polícia queniana, lamentou o incidente, afirmando que isso se deveu a falsas informações sobre o estatuto dos cidadãos chineses em questão.
“Essa operação realizou-se na sequência de informações erróneas no concernente ao seu estatuto migratório. Apresentamos as nossas sinceras desculpas por esse incidente. As pessoas detidas foram libertadas pouco tempo depois”, indicou Owino à imprensa, em Nairobi.
Por seu turno, Hua Chunying, porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros, disse durante uma conferência de imprensa em Pequim, que a parte queniana se desculpou junto da China pelo comportamento inapropriado das suas forças da ordem.
Hua Chunying acrescentou que as autoridades quenianas se comprometeram a reforçar a gestão dos seus oficiais no terreno, assim como as normas protocolares de manutenção da ordem para evitar que uma tal situação volte a acontecer.
Por outro lado, Hua Chunying deu a conhecer que o ministério chinês dos Negócios Estrangeiros aproveitou esta ocasião para lembrar aos chineses expatriados  que devem observar escrupulosamente os procedimentos legais concernentes à sua actividade e residência locais.

Tempo

Multimédia