Mundo

Presidente do Chipre exorta UE a aplicar sanções contra a Turquia

O Presidente do Chipre considerou hoje que a União Europeia (UE) não deve excluir a imposição de sanções à Turquia para que terminem as prospecções "ilegais" de hidrocarbonetos no Mediterrâneo oriental, na origem do aumento das tensões na região.

Presidente do Chipre,Nicos Anastasiades.
Fotografia: DR

Nicos Anastasiades disse que a UE deverá considerar aplicar "todos meios ao (...) dispor" numa resposta à Turquia e evitar que se instale um "duplo critério" sobre a resposta do bloco europeu às actividades da Turquia no interior e exterior das fronteiras do país euro-asiático. "Enquanto permanecerem as acções ilegais contra Estados-membros, a reacção da União Europeia deve ser imediata", disse Anastasiades após conversações em Nicósia com o Charles Michel, presidente do Conselho Europeu.

Anastasiades referia-se ao consenso do bloco europeu sobre a aplicação de sanções a responsáveis oficiais bielorrussos por alegada fraude eleitoral e violências contra manifestantes, e quando se verificaram divergências internas sobre a imposição de sanções mais duras à Turquia. 

A confrontação entre a Grécia e a Turquia agravou-se em agosto quando navios de pesquisa turcos iniciaram prospecções de reservas energéticas em águas onde a Grécia e a ilha dividida de Chipre reivindicam direitos exclusivos.

O Governo da Turquia, que não reconhece a República de Chipre (a parte sul da ilha e membro da UE), considera ter direito a efectuar prospecções de petróleo e gás nessas águas e não aceita estar "submetido" às reivindicações gregas e cipriotas. Charles Michel não fez referência a eventuais sanções, mas considerou essencial que a UE adopte uma posição comum nas conversações destinadas a prevenir um potencial conflito armado no Mediterrâneo.

O presidente do Conselho Europeu assinalou que os apelos prévios à solidariedade com Chipre devem ser concretizados "com palavras e acções". "Penso que devemos ser muito firmes quando se trata de defender os interesses de todos os Estados-membros, incluindo os interesses de Chipre", indicou Michel. 

A deslocação de Michel a Chipre, após uma paragem na Grécia, surge num momento em que os líderes da UE se preparam para discutir medidas destinadas a promover um apaziguamento das tensões com a Turquia. Na terça-feira, a Turquia prolongou até Outubro as suas prospecções de petróleo e gás ao interior da zona económica exclusiva (ZEE) de Chipre, também em nome dos interesses da autoproclamada República Turca de Chipre do Norte (RTCN, o terço norte da ilha), apenas reconhecida por Ancara.

O navio de prospecção turco Yavuz continua a operar no sudoeste da ilha. "O respeito e a soberania de todos os Estados-membros deve permanecer a regra face à qual que ninguém deve ignorar ou discordar", insistiu Anastasiades no encontro com Michel.

Tempo

Multimédia