Mundo

Presidente garante manter a luta contra os terroristas

O Presidente burkinabe, Roch Marc Christian Kaboré, em visita ao Sahel, garantiu, ontem, aos deslocados internos, que o país porá fim ao terrorismo, que já fez muitas vítimas, noticiou a Panapress.

Fotografia: DR


“Fui encontrar-me com os meus compatriotas deslocados em consequência dos bárbaros ataques terroristas que nos foram impostos pelos nossos inimigos. Verifiquei a dimensão plena do seu desânimo. Manifestei-lhes a minha solidariedade e afecto nestes tempos muito difíceis para o nosso povo”, disse.
O Presidente burkinabe enfatizou que pôde ler também nos olhos dos afectados “vislumbres de esperança”, indicando que “o caminho será longo”, garantindo que as autoridades nunca curvarão as cabeças.
A violência protagonizada por grupos jihadistas no Burkina Faso provocou 150 mil deslocados este mês, elevando para mais de 700 mil o número de pessoas obrigadas a abandonar as casas no último ano, anunciaram as Nações Unidas. O porta-voz do Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), Andrej Mahecic, afirmou, ontem, que o país é um dos mais afectados pela violência jihadista - que atinge outras zonas no Sahel - e que os ataques destes grupos estão a provocar o aumento em frequência e intensidade. De acordo com o porta-voz, os grupos jihadistas têm realizado assassínios, violações e roubos a aldeias.
“Os ataques nesta região não têm fronteiras e a rapidez deste aumento da violência em apenas 12 meses é surpreendente”, referiu o porta-voz, numa conferência de imprensa, tendo sublinhado que “o nível de atrocidades a que estão expostas as pessoas requer uma acção a longo prazo”. Para responder às necessidades da população, o ACNUR decidiu aumentar as operações na zona, em particular no âmbito da ajuda humanitária a deslocados e refugiados, assim como às comunidades que os acolhem.

Tempo

Multimédia