Mundo

Primeiro-ministro israelita promete 3.500 novos alojamentos na Cisjordânia

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, em campanha eleitoral para as legislativas de 02 de Março, prometeu hoje a construção de 3.500 novos alojamentos para colonos na Cisjordânia, território palestiniano ocupado por Israel há mais de 50 anos.

Fotografia: DR

"Dei instruções imediatas para permitir a entrega de planos tendo em vista a construção de 3.500 unidades na zona E1", território situado à saída de Jerusalém e onde vivem também famílias de beduínos, afirmou Netanyahu.

Se Israel construir nesta zona entre o colonato judeu de Maalé Adoumim e Jerusalém, a Cisjordânia será cortada em duas, o que impedirá a criação de um eventual Estado palestiniano com continuidade territorial, afirmam palestinianos e ONG.

"Se o projeto se concretizar, isso porá fim à ideia de um Estado palestiniano viável", afirmou Angela Godfrey-Goldstein, co-diretora da ONG Jahalin Solidarity, que defende famílias beduínas estabelecidas no setor E1.

"É outro exemplo que mostra até que ponto Bibi (Netanyahu) está desesperado para ganhar votos (...)" com o aproximar das eleições, anunciou Godfrey-Goldstein, que teme a deslocação de numerosas famílias de beduínos devido ao projeto imobiliário.

Na semana passada, Netanyahu tinha prometido a construção de milhares de novos alojamentos em bairros dos colonatos em Jerusalém leste, um projeto também denunciado pelos palestinianos.

O estatuto de Jerusalém é uma das pedras de toque do conflito israelo-palestiniano, com os palestinianos a tencionarem fazer da parte oriental da cidade, ocupada e anexada por Israel, a capital do futuro Estado, enquanto as autoridades israelitas consideram o conjunto da cidade como a sua capital.

Atualmente, mais de 600 mil pessoas vivem nos colonatos na Cisjordânia e em Jerusalém leste.

A colonização destes territórios, ocupados desde 1967 por Israel, foi acelerada nos últimos anos com o impulso de Netanyahu e do aliado em Washington, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Tempo

Multimédia