Mundo

Procuradoria da Suécia quer detenção de Assange

A Procuradoria sueca anunciou segunda-feira que vai emitir uma ordem de detenção de Julian Assange, fundador do portal WikiLeaks, que se encontra preso no Reino Unido.

Australiano arrisca extradição
Fotografia: DR

“Eu vou emitir uma ordem de captura europeia”, disse a procuradora Eva-Marie Persson, acrescentando que a decisão foi tomada na sequência de uma deliberação de um tribunal de Copenhaga que considera Assange “suspeito de violação”.
O fundador da rede WikiLeaks esteve refugiado na Embaixada do Equador em Londres desde 2012, mas foi preso pelas autoridades britânicas no passado dia 11 de Abril.
O australiano de 46 anos enfrenta igualmente a extradição para os Estados Unidos, nomeadamente, pela difusão pública de informações militares secretas retiradas de um computador do Pentágono.
Eva-Marie Persson disse também que as autoridades do Reino Unido estão a deliberar se existe algum conflito jurídico entre o mandado de captura europeu e a questão da extradição para os Estados Unidos.
O caso da alegada violação de uma cidadã sueca que acusa Julian Assange foi relançado este mês pela Justiça de Copenhaga, depois de o fundador da rede WikiLeaks ter sido preso em Londres. Entretanto, dezenas de apoiantes de Julian Assange concentraram-se ontem frente à Embaixada do Equador onde os pertences do fundador do WikiLeaks deverão ser apreendidos e entregues às autoridades dos Estados Unidos, que exigem a sua extradição.
Na divisão que ocupava na Embaixada previa-se para ontem uma operação de inventariação dos seus bens, segundo um documento judicial publicado pelo WikiLeaks. Entre esses pertences incluem-se dois manuscritos, a sua ficha médica e equipamento electrónico, precisou a organização.
O ministro equatoriano dos Negócios Estrangeiros, José Valencia, indicou na semana passada que a Justiça equatoriana decidiria “quais os bens” que conviria “entregar às autoridades dos Estados Unidos”, e os que deverão ser devolvidos ao detido.

Tempo

Multimédia