Mundo

Pyongyang ameaça cancelar a cimeira

A Coreia do Norte ameaçou cancelar a cimeira com os Estados Unidos e suspendeu conversações com a vizinha Coreia do Sul. Em causa estão exercícios militares conjuntos dos EUA e da Coreia do Sul que a Coreia do Norte diz que têm como objectivo invadir o país.

Manobras militares provocam a ira da Coreia do Norte
Fotografia: DR

A informação avançada inicialmente pela KCNA, a agência de notícias norte-coreana, referia que as negociações com Seul poderiam estar em risco, sendo que uma agência sul-coreana adiantou mesmo que a reunião entre as duas Coreias que estava agendada para ontem foi cancelada.
As razões deste potencial volta-face estão relacionadas com os exercícios militares conjuntos dos Estados Unidos e da Coreia do Sul.
Pyongyang considera que os exercícios “Max Thunder” servem de ensaio para invadir o país.
“Este exercício que pretende atingir-nos, e que está a decorrer na Coreia do Sul, é um desafio flagrante à declaração de Panmunjon e uma provocação militar intencional que contraria o desenvolvimento político positivo na península da Coreia”, adianta a KCNA.
Os exercícios militares entre Washington e Seul começaram na passada sexta-feira com cerca de 100 aviões de guerra.
Os Estados Unidos e a Coreia do Sul costumam realizar com regularidade estes exercícios para praticarem a defesa do país no sul da península coreana.

António Guterres

O Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, disse ontem esperar “que o bom senso prevaleça” e que as cimeiras da Coreia do Norte com a Coreia do Sul e os Estados Unidos tenham efectivamente lugar e sejam um sucesso. “Espero que, no final, o bom senso prevaleça e espero que as cimeiras se realizem e que tenham sucesso”, declarou Guterres, numa conferência de imprensa em Bruxelas após um encontro de trabalho na sede da Comissão Europeia.

Tempo

Multimédia