Mundo

Robert Mugabe morreu vítima de cancro

O ex-Presidente Robert Mugabe, que dirigiu os destinos do Zimbabué durante 37 anos e morreu no passado dia 6 de Setembro num hospital em Singapura, sofria de cancro em fase terminal, anunciou hoje a Presidência daquele país.

Robert Mugabe deu entrada, num dos hospitais de Singapura, em Abril deste ano
Fotografia: DR

O actual Presidente, Emmerson Mnangagwa, que se encontra em Nova Iorque para participar na Assembleia-Geral das Nações Unidas, explicou a membros do seu partido nos Estados Unidos que os médicos decidiram suspender o tratamento de quimioterapia a Mugabe, atendendo à idade muito avançada - 95 anos - do antigo chefe de Estado.

“Os médicos suspenderam o tratamento de quimioterapia, em primeiro lugar devido à idade e também porque o cancro se tinha disseminado e já não era útil”, disse Mnangagwa, em declarações ao diário estatal zimbabueano Herald.

“Podia ter regressado a casa, mas a família disse que queria ficar (em Singapura)”, acrescentou Mnangagwa. Mugabe foi afastado do poder por um golpe de Estado sem derramamento de sangue perpetrado por militares próximos de Mnangagwa em Novembro de 2017, altura em que se afastou dos meios políticos.

Em 2008, o amigo da família e antigo governador do Banco Central do Zimbabué, Gideon Gono, terá garantido que Mugabe sofria de um cancro na próstata em estado avançado.

Numa conversa com um embaixador dos Estados Unidos, revelada em 2011 pelo portal da internet Wikileaks, Gono afirmou que os médicos de Mugabe tinham-no instado a renunciar ao cargo, declarações que Gono negou mais tarde.

Mugabe deu entrada em Abril deste ano num hospital de Singapura, país para o qual viajava com frequência, de acordo com fontes oficiais, para fazer “exames de rotina”. O corpo de Mugabe permanece na sua mansão nos arredores da capital zimbabueana, enquanto se constrói um mausoléu, onde se espera que os restos mortais do antigo Presidente sejam enterrados, no próximo mês.

O regime de Mugabe foi caracterizado pela repressão dos seus opositores, eleições de credibilidade duvidosa, forte restrição da liberdade e falência da economia do Estado, ainda que muitos o considerem um lutador contra o domínio colonial branco e herói maior da independência nacional.

 

Tempo

Multimédia