Mundo

Rússia acusa EUA de desmontar sistema de controlo de arsenais

A Rússia acusou ontem os Estados Unidos de quererem desmontar todo o actual sistema de controlo de armas, após o fim do Tratado de Ar-mas Nucleares de Alcance Intermédio (INF).

Vice-ministro Sergey Riabkov
Fotografia: DR

“A destruição do INF, que pela magnitude das suas consequências é comparável à saída dos Estados Unidos em 2002 do tratado de defesa an-
timísseis, significa que o desmantelamento do sistema de controlo de mísseis e armas nucleares por parte de Wash-ington continua e acelera”, disse o vice-ministro dos Ne-gócios Estrangeiros russo, Sergey Riabkov, em conferência de imprensa.
O “número dois” da diplomacia russa também alertou para as “inevitáveis consequências negativas” do fim do INF para toda a arquitectura de segurança internacional e sublinhou o risco de uma nova corrida ao armamento no mundo.
Contudo, Sergey Riabkov realçou que foi precisamente Washington que “enterrou” o tratado de redução de mísseis de curto e médio alcance assinado pelos Estados Unidos e pela União Soviética, em 1987, e não a Rússia.
“Precisamente os Estados Unidos tornaram-se no coveiro do tratado. Foram eles que começaram e levaram até ao fim o procedimento da saída unilateral do acordo”, frisou. Segundo o vice-ministro russo, Moscovo tinha-se pronunciado “de forma consistente” a favor da preservação do acordo de desarmamento e fez “todo o possível” para o preservar.
No entanto, Riabkov reiterou que a Rússia continua aberta a um “diálogo construtivo” com os Estados Unidos sobre questões de estabilidade estratégica e negou que Moscovo reformule a sua doutrina militar após o fim do INF.
Quanto à possibilidade de um novo acordo no domínio do controlo de armas, Riabkov sublinhou que a Rússia vai insistir que, no seu debate, “se tenha em consideração os potenciais correspondentes (nucleares) da França e do Reino Unido.”
Na passada sexta-feira, 2 de Agosto, expirou o Tratado das Armas Nucleares de Al-cance Intermédio, assinado há mais de 30 anos entre os EUA e a Rússia.

 

Tempo

Multimédia