Mundo

Sudão suspenso da União Africana

A União Africana anunciou ontem a suspensão, com efeitos imediatos, do Sudão do seio da organização, uma situação que se manterá até à criação de uma autoridade civil.

Fotografia: DR

De acordo com a agência Reuters, desde ontem o Sudão está suspenso de to das as actividades da União Africana por decisão tomada por unanimidade pelo Conselho de Paz e Segurança da organização.Esta decisão surge depois de o próprio presidente da Comissão da União Africana, Moussa Faki Mahamat, ter condenado o recente ataque efectuado pelos militares contra manifestantes civis e que terão provocado a morte de mais de 100 pessoas, de acordo com o último balanço. O Comité Central dos Médicos sudaneses, a fonte que está a dar conta do número de mortos até agora, indicou que mais de 40 corpos foram retirados do rio na terça-feira e levados pelas forças paramilitares de intervenção rápida para um local desconhecido, o que eleva para cerca de 100, o número de vítimas fatais.
A oposição do Sudão rejeitou uma proposta da Junta Militar no poder, para retomar o diálogo, questionando a seriedade dos militares sobre as negociações quando disparam sobre a população e matam manifestantes.
A Organização das Nações Unidas retirou do Sudão os seus funcionários não essenciais. “Nós retiramos temporariamente o pessoal da ONU não essencial, se bem que todas as operações da Organização continuem no Sudão”, indicou a porta-voz Eri Kaneko.
Não foi detalhado o nú- mero de empregados retirados nem para onde foram transferidos. As Nações Unidas dispõem de uma grande presença no Sudão, com funcionários saídos de 27 organismos, estando a maior par- te focada na ajuda humanitária à população.
A ONU já tem uma missão de paz em Darfur, realizada em conjunto com a União Africana, com cerca de 7.200 militares e polícias.

Tempo

Multimédia