Mundo

Surto de sarampo é o mais mortífero na RDC

A organização humanitária Médicos Sem Fronteiras (MSF) alertou, ontem, para o agravamento do surto de sarampo na República Democrática do Congo (RDC), referindo que desde Janeiro já foram infectadas mais de 145 mil pessoas e morreram 2.758.

Fotografia: DR


“A epidemia de sarampo, decretada a 10 de Junho, é a mais mortífera que a RDC já registou desde 2012”, lê-se num comunicado ontem difundido pela MSF, que lamenta a “alarmante falta de actores e fundos para responder à crise”.
Apesar da escala da epidemia, “foram angariados apenas 2,5 milhões de dólares, dos 8,9 milhões requeridos pelo plano de resposta”, acrescentam os médicos, vincando que “o contraste com a epidemia de ébola no Leste do país, que atrai múltiplas organizações e centenas de milhões em financiamento, é impressionante”.
Citado no comunicado, o médico Karel Janssens alerta que faltam apenas algumas semanas para o início do ano escolar e não há sinais de abrandamento da epidemia.
“Desde Julho, a epidemia tem piorado, com um aumento no número de novos casos a ser reportado em várias províncias”, disse o responsável, concluindo que “se queremos conter a propagação da doença, é imperativo o fortalecimento da resposta, e de forma imediata”.

 

Tempo

Multimédia