Mundo

Terrorismo e inundações assolam Burkina Faso

Duas pessoas raptadas, sexta-feira, no Sahel burkinabe, foram ontem libertadas, noticiou a Panapress. Hassane Adams Tamboura, um autarca reformado, e Boukari Dicko, raptados no troço Namsiguia-Djibo, foram libertados pelos raptores”, declarou um comerciante de Djibo.

Fotografia: DR

A mesma fonte sublinhou que os ex-reféns foram abandonados numa aldeia a cerca de 30 quilómetros da cidade de Djibo. A 11 de Agosto, no mesmo troço, indivíduos armados não identificados raptaram o grande imame de Djibo, que eles assassinaram quatro dias depois. Os ataques armados e os raptos são frequentes no Sahel burkinabe e em várias outras províncias do Burkina Faso.

Estas acções surgem numa altura em que o Governo declarou o estado de catástrofe natural, após a morte de 13 pessoas nas inundações, devido às fortes chuvas que se abateram sobre o país desde a semana passada, anunciou o Governo. “As fortes chuvas registadas fizeram 13 mortos, 19 feridos e muitos danos”, declarou, no termo de uma reunião do Conselho de Ministros, o ministro da Cultura, Abdoul Karim Sango.

Acrescentou que o Governo declarou o estado de catástrofe natural e desembolsou uma linha de crédito de cinco mil milhões de francos (oito milhões 975 mil 512 dólares) para assistir às pessoas afectadas. O Governo também anunciou a requisição das infra-estruturas em toda a parte onde for necessário para realojar os sinistrados.

Tempo

Multimédia