Mundo

TPI reconhece a culpa de Bosco Ntaganda

Tribunal Penal Internacional (TPI), em Haia, reconheceu ontem a culpa do antigo chefe de guerra congolês, Bosco Ntaganda, preso desde 2013, dos crimes de guerra e contra a humanidade e que agora enfrenta uma possível pena de prisão perpétua, de acordo com a AFP.

Ex-chefe de guerra da RDC
Fotografia: DR

Bosco Ntaganda era acusado de ter, entre 2002 e 2003, recrutado crianças-soldado, incitado a assassinatos, pilhagens e violações, actos supostamente cometidos pelas suas tropas, em Ituri, nordeste da RDC.
Na última fase do processo, em Agosto de 2018, a acusação apontou Bosco Ntaganda como tendo tido um papel preponderante na planificação das operações da União dos Patriotas Congoleses e do seu braço armado, as Forças de Libertação do Congo (FPLC).
Antigo general das Forças Armadas Congolesas (FARDC), Ntaganda, de 45 anos, respondia por 13 crimes de guerra e cinco crimes contra a humanidade, que já negara em 2015.
Nascido no Rwanda, onde ingressou na Frente Patriótica do Rwanda (FPR), Ntaganda, de etnia tutsi, tinha a reputação de ser um líder carismático. General das FARDC, de 2007 a 2012, foi um dos membros fundadores do movimento rebelde M23, derrotado em 2013.
Na sequência das divergências acompanhadas de combates no seio do M23, Ntaganda fugiu então para o Rwanda, refugiando-se na Embaixada dos Estados Unidos, em Kigali, de onde pediu transferência para o TPI.
Bosco Ntaganda é um dos cinco chefes de guerra congoleses transferidos para o TPI, fundado em 2002, para julgar os crimes cometidos no mundo.
Em Março de 2012, o Tribunal Penal condenou Thomas Lubanga, antigo chefe de Ntanganda, nas FPLC, a 14 anos de prisão.
Nos últimos anos o tribunal sofreu vários revezes, com a soltura de vários suspeitos.
Num outro assunto, os juízes vão determinar a existência ou não de provas, para confirmar as acusações contra o jihadista maliano, Al Hassan ag Abdoul Aziz ag Mohamed Ag Mahmoud, suspeito de ter cometido crimes de guerra e contra a humanidade, em Tombouctou, entre 2012 e 2013.

Tempo

Multimédia