Mundo

Trump descarta adiar as eleições presidenciais

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que nunca pensou em adiar as eleições presidenciais de 3 de Novembro por causa da Covid-19, acusando o opositor democrata, Joe Biden, de “propaganda fabricada”.

Fotografia: DR

“Nunca pensei em mudar a data. Por que faria isso?”, questionou Trump, durante uma conferência de imprensa na segunda-feira.
Dias antes, Biden previu que Trump faria o possível para adiar a data da votação. “É apenas propaganda fabricada”, respondeu o Presidente dos EUA. Na mesma conferência de imprensa, Donald Trump falou da possibilidade de pedir a Pequim o pagamento de biliões de dólares em compensação pelos danos causados pelo novo coronavírus.
“Estamos descontentes com a China”, afirmou, acrescentando que a doença “poderia ter sido parada na fonte e não se ter espalhado pelo mundo. “Existem várias maneiras de responsabilizá-los, estamos a conduzir uma investigação muito séria” sobre esse assunto, acrescentou Donald Trump.
Efeito da pandemia
na Europa
Ainda na mesma conferência, o Presidente norte-americano disse que vai manter as fronteiras encerradas até que a situação da pandemia da Covid-19 na Europa melhore.
“Estamos a analisar a anulação do veto que impede a entrada nos EUA de viajantes provenientes da Europa e depende do tempo que demorar a Europa a curar-se. A Itália está a começar a recuperar. Fico contente de ver isso com o meu amigo, o Primeiro-Ministro”, sublinhou, referindo-se ao chefe do Governo italiano, Giuseppe Conte. Donald Trump qualificou de “trágico” o impacto do surto do novo coronavírus na Europa, enumerando a Itália, Espanha, França e Alemanha como exemplos.
“Em todos os países a situação é trágica, mas muito em breve veremos o que sucede na Europa e, com certeza, queremos levantar o veto do encerramento de fronteiras e eles também o querem”, revelou o Presidente.
O encerramento das fronteiras com a Europa pelos EUA foi decretado em 14 de Março, por um período inicial de 30 dias que, entretanto, foi renovado, podendo prolongar-se enquanto o Presidente norte-americano achar necessário.

Ajuda financeira federal
O secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, disse hoje que os Estados que foram “mal administrados” financeiramente no passado não terão direito a ajuda federal para responder à crise económica causada pela pandemia da Covid-19.
“Os Estados que foram mal administrados no passado não terão direito à resgate federal”, disse Mnuchin, quando interrogado sobre a possibilidade de o Governo federal vir a ajudar o Estado de Illinois, no Norte do país.
O Congresso dos EUA aprovou, nas últimas semanas, dois projectos de lei para concessão de um pacote financeiro de mais de 1,5 biliões de dólares em ajuda ao impacto económico da crise sanitária. Para combater a pandemia, os Governos mandaram para a casa 4,5 mil milhões de pessoas.

Tempo

Multimédia