Mundo

Trump diz que eventual guerra com Irão será curta

O Presidente norte-americano garantiu ontem que os Estados Unidos terão uma posição de força em caso de conflito com o Irão e que se houver guerra será de curta duração e sem necessidade de enviar tropas para aquele território.

Trump decidiu retirar unilateralmente os Estados Unidos do acordo sobre o nuclear e restabelecer sanções ao Irão
Fotografia: DR

“Uma guerra contra o Irão não duraria muito tempo”, disse Donald Trump, em entrevista ao canal de televisão Fox Business.
Afirmando esperar que não haja guerra, o Presidente Donald Trump sublinhou que, caso o conflito aconteça, os Estados Unidos estão “numa posição muito forte e a guerra não durará muito tempo.”
Trump também afastou a possibilidade de “enviar militares para o solo” em caso de guerra contra o Irão.
As relações entre Washington e Teerão têm estado muito tensas desde o ano passado, quando Trump decidiu retirar unilateralmente os Estados Unidos do acordo sobre o nuclear e restabelecer sanções ao Irão.
O acordo, assinado quando Barack Obama era Presidente dos Estados Unidos, envolvia os cinco membros permanentes do CS da ONU(EUA), China, Rússia, França, Reino Unido) e ainda a Alemanha e destinava-se a travar os planos de construção de armas nucleares por parte do Governo de Teerão.
Para ver as sanções económicas retiradas, em 2015, o Governo iraniano acordou limitar drasticamente o seu programa nuclear e assegurar que não produziria armas nucleares.
O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, disse que a União Europeia “está a acompanhar a situação de perto e preocupada com a tensão no Golfo Pérsico.”
Na semana passada, o Presidente russo, Vladimir Putin, avisou aos EUA para as consequências do uso da força contra o Irão, depois do homólogo norte-americano, Donald Trump, ter escrito no Twitter: “O Irão cometeu um enorme erro.”

Iraque demarca-se
O Presidente iraquiano, Barham Saleh, declarou que não querer o seu país envolvido num novo conflito no Médio Oriente e a sofrer devido às tensões militares entre o vizinho iraniano e os Estados Unidos.

Tempo

Multimédia