Mundo

Ucrânia e rebeldes separatistas preparam-se para cessar-fogo na Crimeia

As forças ucranianas e os rebeldes separatistas no leste da Ucrânia preparam-se para um cessar-fogo total que começam à meia-noite de hoje, na região disputada da Crimeia.

Fotografia: DR

O acordo de cessar-fogo foi alcançado na quarta-feira, depois de encontros entre membros do Grupo de Contacto Tripartido, que inclui representantes da Rússia, Ucrânia e da Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE).

As autoridades rebeldes disseram hoje que instruíram as suas tropas sobre o cessar-fogo e emitiram um decreto proibindo o uso de armas.

Por seu lado, os militares ucranianos disseram que as suas forças "começaram os preparativos" para o cessar-fogo.

"Se for mantido, esta trégua 'abrirá caminho para a implementação de outras cláusulas' do acordo de paz de Minsk", disse o gabinete do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, referindo-se ao tratado assinado em 2015.

O acordo de Minsk foi intermediado pela França e pela Alemanha, com o objectivo de resolver o confito entre os separatistas apoiados pela Ucrânia e os apoiados pela Rússia, que eclodiu em 2014, após a anexação da Crimeia por Moscovo, e que já provocou mais de 14 mil mortes.

O acordo de paz prevê que a Ucrânia apenas poderá recuperar o controlo da sua fronteira com a Rússia nas regiões controladas pelos separatistas depois de terem conseguido realizar eleições locais.

O acordo ajudou a diminuir a intensidade do conflito, mas as forças ucranianas e os rebeldes separatistas têm mantido as hostilidades, com ataques mútuos.

Em Dezembro, os líderes da Ucrânia, Rússia, França e Alemanha reuniram-se em Paris para mais uma ronda de negociações, expressando apoio ao acordo de 2015 e concordando em revigorar o processo de paz.

O presidente Volodymyr Zelensky, que venceu as eleições de 2019 com a promessa de acabar com o conflito, tem pressionado a Rússia para ajustar o cronograma estabelecido no acordo, de forma a que a Ucrânia seja capaz de controlar a sua fronteira, ainda antes de realizar eleições locais, mas o Kremlin insiste que o acordo deve ser implementado sem qualquer revisão.

Durante sua tradicional bênção dominical na Praça de São Pedro, o Papa Francisco também elogiou o cessar-fogo que se inicia esta noite, acrescentando que ele deve ser colocado em prática para restaurar a confiança e estabelecer as bases para uma reconciliação muito necessária e há muito esperada.

Tempo

Multimédia