Mundo

União Europeia lamenta “campanha de silêncio”

A missão de observação da União Europeia (UE) na Tunísia lamentou a “campanha de silêncio” para a segunda volta das presidenciais, a 13 de Outubro, com um dos candidatos detido e o outro com a campanha suspensa.

Fotografia: DR

“O que temos perante nós é uma situação original, uma campanha de silêncio em lugar de uma troca de posicionamentos, porque um não pode fazer campanha e o outro não quer”, disse o vice-presidente do Parlamento Europeu (PE) Fabio Massimo Castaldo, chefe da missão de observadores eleitorais da UE às eleições tunisinas. O candidato Kais Saied anunciou no domingo que suspende a campanha em nome da igualdade de oportunidades do adversário, Nabil Karoui, que está detido. Os observadores europeus e vários políticos e organismos tunisinos pediram que Karoui, detido desde 23 de Agosto por suspeita de fraude fiscal e branqueamento, pudesse fazer campanha, mas os apelos foram ignorados pela Justiça.
“Esperamos, apesar de tudo, que haja possibilidade, meios, de permitir a cada candidato exprimir-se”, prosseguiu Castaldo, frisando que a missão “respeita plenamente a independência do poder judicial na Tunísia”. “A nossa preocupação é o acesso de cada eleitor às posições dos candidatos para que possa formar uma opinião informada”, sublinhou. Os observadores consideram que “os ‘media’ públicos respeitaram uma cobertura pluralista e equitativa”, mas tal não aconteceu com os privados, que não garantiram, de todo, o respeito por esses princípios”.
Castaldo lamentou igualmente que a Nessam TV, propriedade de Karoui, “não esteja autorizada a emitir”. Sobre as eleições legislativas de domingo passado, cujos resultados devem ser anunciados hoje, os observadores europeus consideram que foram “bem organizadas”.
Constatando que o próximo Parlamento tunisino deverá ter um grande número de partidos representados, o eurodeputado Emmanuel Maurel considerou que tal “não é motivo de preocupação”, antes um sinal de que “a Tunísia está a passar de forma acelerada por aquilo que alguns países europeus passaram”. No próximo domingo, sete milhões de tunisinos são chamados às urnas pela terceira vez num mês para eleger o presidente.

Tempo

Multimédia