Opinião

A pandemia do lixo

Luciano Rocha

A pandemia do lixo, que também mata, é muito mais antiga que a do coronavírus, embora, pelo menos em Luanda, não seja tão combatida, apesar de ser, indubitavelmente, mais fácil de a evitar.

Verdade é que a mais recente delas encontrou, nesta nossa cidade, aliada de peso na segunda, sabendo-se, como se sabe, que o coronavírus - dêem-lhe a numeração que derem - tem como inimigo implacável o asseio de qual foge não sei a sete pés ou asas, pois não há quem o tenha visto “cara a cara”, nem em ajuntamentos, farras, sentadas em escadas e corredores de prédios, bares ou grupos das impunes kinguilas. Porque invisível, deve escapulir-se pelo ar, tal qual “anjo mau”.

Luanda, a cidade e a província que lhe herdou o nome, por razões ultra conhecidas, é imunda. E se excepções há são apenas isso, a confirmarem a regra. E assim, coitada, há-de continuar, enquanto não tiver um plano urbanístico pensado e executado por profissionais competentes de várias áreas, que os temos, como arquitectos de diferentes especialidades, engenheiros, ambientalistas, todos abertos a ouvir e dialogar e a puxarem desinteressadamente para o mesmo lado. Pelo menos, estes. Sem eles qualquer projecto está condenado ao fracasso. Dispensam-se curiosos, empertigados, câmaras de eco, repetidores de despautérios, “bocas de aluguer”, sabichões, enfermeiros feitos fiscais de obras.

A tarefa, aliciante para quem se envolver nela de corpo e alma, é, certamente, morosa para dispensar remendos futuros, mas vale a pena. Até lá, Luanda, a cidade e a província que lhe dá o nome, apenas será arremedo do que deve e pode ser. No imediato, se lhe tratarem da limpeza já não é mau. Pode, aliás, ser o primeiro passo para a mitigação de doenças antigas, novas e futuras.

Tempo

você e o jornal de angola

PARTICIPE

Escreva ao Jornal de Angola.

enviar carta

Multimédia