Opinião

A.C. e d.C.: Covid-19 - uma nova oportunidade para África

João Dono |*

A Covid-19 fez-nos voltar às nossas origens, às nossas casas, aos nossos bairros, às nossas províncias e aos nossos países. Voltámos à essência humana e origem de tudo – uma casa, um lar e uma família orando em tempos difíceis. Para alguns, ao filme Sozinho em Casa, para outros ao Adão e Eva no paraíso.

Não há dúvidas de que a Covid-19 mudou o nosso dia-a-dia e muitos dos nossos hábitos. Ao contrário do Estado de Emergência que será temporário, as mudanças que o vírus trouxe ao mundo vieram para ficar e depois do dia D que tanto esperamos – o fim do vírus em todo o mundo - virá o dia Zero, um recomeço para a humanidade e surgimento de novos hábitos, novas crenças, novos valores e novas ordens sociais, económicas, jurídicas e religiosas.
A Covid-19 começou por ser apenas um vírus do chinês. A Europa ficou a “dormir à sombra da bananeira”, afinal isso era coisa dos chineses. Em pouco tempo passou a ser um vírus do mundo, tivemos que nos isolar nas nossas casas, nas nossas províncias, nos nossos países e no nosso continente. Passou a ser coisa séria e o terror espalhou-sepelo mundo. Todos passamos a ser suspeitos, sem direito a presunção da inocência, quarentena obrigatória para quem esteve em qualquer situação ou país de risco. O vírus leva a peito o princípio da igualdade, não distingue raça, cor, condição social, financeira, religião ou idade. Qualquer vacilo, lá vem ele. Ficar longe dele – em casa – é a melhor opção. Ele que morra sozinho na rua, numa esquina qualquer, mas longe das nossas casas. O mundo parou, o dia passou a ter mais de 24h, o tempo deixou de existir. Tudo o que existe somos nós, a nossa casa, a nossa família e um vírus à espreita. Não é ficção, é a pura realidade.
A primeira lição a tirar da Covid-19 é que o planeta, como o conhecíamos até 2019, deixou de existir. Quem ainda pensa e age como agia em 2019, com as mesmas crenças, já não pertence a este mundo, mesmo que fisicamente ainda esteja por cá.
Esta é sem dúvida a Terceira Guerra Mundial, contra um inimigo invisível e devastador. Não sabemos quem ordenou o ataque, apenas sabemos que ataca todos os que encontrar pelo caminho. Para lutar contra ele, só as FAS(Forças Armadas da Saúde). Para os países, como os africanos, que nunca valorizaram os profissionais da Saúde, é momento de ganhar consciência de que é preciso ter um novo exército no país – o dos profissionais da Saúde. Estes têm deixado as famílias em casa e, sem medo, enfrentam diariamente este inimigo público. São os soldados da linha-da-frente da Terceira Guerra Mundial. Depois desta fase, é preciso não termos a memória curta e lembrarmo-nos de que o mundo não terá mais guerras com tiros e explosões. Um estatuto para as FAS e a sua consagração e protecção constitucional é um imperativo universal.
Depois da Covid-19, o mundo vai ressurgir, haverá um antes e um depois, para sempre, dividindo o mundo em a.C. e d.C. (antes e depois do Covid-19). Neste reiniciar, voltamos ao princípio da caminhada e temos uma nova oportunidade de fazer diferente. Os políticos e os gestores devem ter esta consciência e adaptar-se às novas realidades que surgirão depois da Covid-19. Serão necessárias medidas legislativas para legitimar a nova ordem social, económica e jurídica.
O pior erro que poderemos cometer será ignorar que tudo voltou à normalidade e a vida pode continuar como se nada tivesse acontecido. Pelo contrário, será necessário expandir a consciência, ter noção que este universo é uma ínfima parte do que existe e incentivar a necessidade de harmonizar o corpo, a mente e o espírito. Os ensinamentos da física quântica devem ser levados a sério e introduzidos nos currículos escolares. Não podemos continuar a iludirmo-nos e a iludir os outros de que apenas existe esta realidade física que vemos.
A alteração dos planos curriculares, de modo a preparar as nossas crianças e jovens para os novos tempos, será crucial para o desenvolvimento das nações. Neste ponto,África tem oportunidade de dar um salto quantitativo. Quando tudo pára, é a altura perfeita para preparar o reinício e dar a volta ao jogo. A Covid-19 trouxe-nos o tempo e a oportunidade pára criarmos uma nova África. A par das medidas preventivas, vamos preparar-nos para os novos desafios e fazer de África, novamente, o Berço da Humanidade, no seu verdadeiro sentido físico e espiritual.

Consultor Jurídico e Docente Universitári

Tempo

você e o jornal de angola

PARTICIPE

Escreva ao Jornal de Angola.

enviar carta

Multimédia