Opinião

Aplicativo para proteger turistas no mundo todo

Carlos García | EFE

Um grupo de portugueses lançou no mercado o aplicativo "Securis", que tem como objectivo proteger ou alertar um turista quando ele estiver em perigo em qualquer parte do planeta. A ideia de Pedro Costa, Tiago Simões e Luís Zenha-Rela foi pensada como um guia virtual que qualquer usuário de smartphone pode baixar.

Dada a versatilidade e utilidade do invento, o Turismo do Centro - órgão do governo português voltado especificamente para a promoção desta região - decidiu dar ao app o prémio principal que concede todos os anos a iniciativas inovadoras e eficazes do ponto de vista turístico.
Com esse programa, se o turista estiver numa área não muito aconselhável por falta de segurança, o telefone vibrará para alertar que ele está a entrar numa região um pouco perigosa. O aplicativo usa mapas em tempo real e beneficia-se do GPS para que, assim, possa ser utilizado por qualquer pessoa e em qualquer parte do mundo. O app também oferece imagens divididas em áreas que, por sua vez, ajudam o usuário a circular pelos lugares mais seguros, já que as áreas circundantes têm notificações de maior ou menor segurança.
O "Securis" permite, inclusive, que o turista, apenas tocando o botão do "pânico", accione a polícia e informe que se encontra numa situação de perigo, já que sempre estará localizado pelas coordenadas do GPS.
As recomendações para os estrangeiros na hora de se relacionarem com os habitantes de um país também são descritas no programa que, por enquanto, está disponível apenas para smartphones que usam o sistema operacional Android.
No mesmo concurso de iniciativas turísticas foi premiado o projecto "Invisiwall". A ideia do aplicativo é deixar de maneira virtual alguma mensagem ou lembrança no lugar onde passamos as férias.
Através deste app, promovido por Rui Nuno Castro, Ivo Pimentel, João Diogo Ramos, Eduardo Esteves e Simon Punter, o turista poderá escrever um texto ou deixar uma imagem que poderão ser vistas por outras pessoas que cheguem ao mesmo local e disponham do programa no telefone. As mensagens escritas pelo turista ficarão visíveis nessa área, já que estarão identificadas pelas coordenadas do lugar.
O concurso de ideias empreendedoras e inovadoras agraciou também a iniciativa "Mondego Art Valley", de Catharina Sligting, que tenta criar em um sítio de 22 hectares do Rio Mondego (no Centro de Portugal) um centro de turismo de natureza apto para todo o tipo de encontro e para o recolhimento baseado na contemplação da natureza. Ao todo, o Turismo do Centro recebeu 56 inscrições de propostas no âmbito turístico. A entrega dos prémios acontecerá entre os dias 29 e 31 de Maio, na cidade de Leiria, na região do Centro de Portugal, durante o 4º Fórum de Turismo Interno.
A Região Centro de Portugal teve um aumento de 10 por cento no número de visitantes em 2016. A alta significativa é fruto dos visitantes que chegam a esta região para praticar turismo de interior, baseado na natureza, no património, no lazer e na gastronomia.

Tempo

você e o jornal de angola

PARTICIPE

Escreva ao Jornal de Angola.

enviar carta

Multimédia