Opinião

Iniciar Nova Jornada na Parceria Estratégica entre a China e Angola

Cui Aimin*

Os outros projectos de doação da China também estão a avançar, como o Centro de Demonstração de Tecnologia Agrícola e o Instituto Superior das Relações Internacionais.

Agora, as duas partes estão a implementar os êxitos alcançados pela Cimeira de Joanesburgo do FOCAC e cooperar nas áreas de agricultura, indústria, saúde e formação de quadros, no âmbito dos Dez Planos de Cooperação China-África, promovendo a transformação dos recursos naturais e humanos abundantes de Angola em benéficios reais ao seu povo.
O leque de intercâmbio entre a China e Angola vem-se ampliando. Quanto ao intercâmbio partidário, o MPLA, partido governante de Angola, enviou várias delegações para fazer estudo na China e trocar as experiências de governança com o Partido Comunista da China (PCC). No âmbito do intercâmbio militar, as duas forças armadas fizeram várias visitas uma a outra e cooperam em áreas de equipamento militar e tecnologia profissional. Durante a visita a Angola do navio hospitalar “Arca da Paz” da Marinha chinesa em último Outubro, mais de 6 mil pacientes foram atendidos gratuitamente, um acto admirado pela sociedade angolana. Na cooperação policial, o Ministério da Segurança Pública da China organizou vários cursos de capacitação e formação de técnicas profissionais para a polícia angolana. No domínio da saúde, ao surto da epidemia da febre-amarela em Angola em 2016, a parte chinesa ofereceu atempadamente uma doação em divisa, e enviou um grupo de especialistas da saúde pública que investigou e criou o mecanismo transfronteiriço de monitoramento das doenças infeciosas junto com técnicos angolanos. Para o intercâmbio cultural, o Instituto Confúcio na Universidade Agostinho Neto começou a atender o público, tornando-se uma ponte de compreenção e amizade entre os povos da China e Angola.
Uma jornada de mil quilómetros não pode ser cumprida sem acumular os passos pequenos. Os 35 anos passados são uma história orgulhosa e memorável e fundaram a base para o desenvolvimento de longo prazo das relações China-Angola. Hoje em dia, perante as mudanças da conjuntura internacional, ambos a China e Angola aceleraram passos na reforma interna, abrindo novas perspectivas do relacionamento dos dois países.
No ano passado, o 19º Congresso do PCC foi realizado com sucesso. Este conclave estabeleceu o estatuto do pensamento de Xi Jinping sobre o Socialismo com Características Chinesas na Nova Era, iniciamos a nova jornada para construir completamente um país socialista modernizado. O relatório do congresso estabeleceu as metas gerais da diplomacia de um grande país com características chinesas na nova era, isto é, promover a construção do novo modelo das relações internacionais e a contrução da comunidade de destino comum de toda humanidade. A China continua no caminho de desenvolvimento pacífico e está disposta a, através de cooperação e benefícios mútuo com todos os países, contribuir com a força, sabedoria e propostas da China para a prosperidade do mundo e o progresso da humanidade.
O ano 2018 é marcado pelo início da implementação dos diretrizes do 19º Congresso do PCC, como também pelo 40º aniversário da Reforma e Abertura ao Exterior da China. A abertura da China vai ficar mais alargada. A África é o alicérce e parceiro importante da diplomacia da China. A parte chinesa vai albergar, sob o conceito de Verdade, Efectividade, Afinidade, Honestidade e conceito correcto da justiça e do benefício, mais uma reunião do FOCAC, com o objectivo de abordar o plano de desenvolvimento no futuro com os irmãos africanos, elaborar novas medidas, criar novos destaques, e saltar para novo patamar em termos da cooperação sino-africana. Atendendo aos desejos dos países africanos, a parte chinesa gostaria de fazer acoplamento mais estreito entre a iniciativa de um Cinturão e uma Rota e a Agenda 2063 da África.
Ainda este mês, o ministro dos negócios estrangeiros Wang Yi efectuará uma visita oficial a Angola. Trata-se de a primeira visita oficial de um ministro dos negócios estrangeiros da China a Angola nos últimos 16 anos, e fará uma parte da comemoração do 35º aniversário do estabelecimento das relações diplomáticas das duas partes. Através da visita, as duas partes vão esboçar planos do desenvolvimento do relacionamento dos dois países no novo período. Além disso, estamos a preparar a segunda sessão do Comissão Orientadora da Cooperação Económica e Comercial entre a China e Angola, estamos a negociar os acordos bilaterais sobre a facilitação de circulação de pessoas, a protecção de investimento, a evitação de dupla tributação e troca de moedas. Devemos aproveitar bem essas oportunidades para superar obstáculos e empurrar juntos a transformação na cooperação sino-angolana, elevando o seu nível e qualidade.
Um poema antigo da China declama: “Quando chegar o momento de singrar as ondas com os ventos favoráveis, içarei minha vela e cruzarei o imenso mar.” Sob o cenário da nova era, a China e Angola, como bons amigos, parceiros e irmãos, avançarão ombro a ombro e iniciarão uma nova jornada na parceria estratégica dos dois países(Fim).

*Embaixador da China em Angola

Tempo

você e o jornal de angola

PARTICIPE

Escreva ao Jornal de Angola.

enviar carta

Multimédia