Opinião

Kibwikila fenómeno transcendental

Manuel Correia |

Há fenómenos que ocorrem na nossa sociedade, que me fazem doer os cabelos.

Apesar de os ter poucos, devido à minha calvície progressiva. Eué! E aqui na nossa terra que quem é careca e não tem muito dinheiro ou não é rico, corre sérios riscos de ser acusado de “ngapa” (feiticeiro)!
Já me faz lembrar a letra da música interpretada pelo nosso saudoso Bangão, intitulada Kibwikila (terramoto, holocausto, fenómeno admirável…) que numa das suas estrofes diz: “Man Gonçalo uai ku menekena mulaulé uexile ni febele/Amba kia bana o dikunda, mulaulé ua xala uafu/
(Mano Gonçalo foi visitar um neto que estava com febre/Ao retirar-se, o neto acabou por morrer).
Ua mu tumisa o lekalu/Muene phe ueza ni lusolo/Kiutula ku tambi ua buila/ ua binge kialu ua xikama/Mu tukumuka mbangala ia dikoxi/Kia budisa kituxi kianhi nga bange/
(Os netos mandaram-no chamar/Ele deslocou-se apressado para saber o motivo porque tinha sido chamado/ Ao chegar, cansado, pediu uma cadeira e sentou-se/ Ao perguntar porque tinha sido chamado…).
Alaulé ua mu tambuijila: se eye uala dibala kuene kitadi vovô eié u muloji/. (Os netos responderam: se tens careca e não tens dinheiro, então é porque és feiticeiro. Tu é que mataste o nosso irmão).
Manhi se o ngongo uolo bwa/Manhi se kikwikila/Manhi se o ngongo uolo bwa kiawé/Manhi se kibwikila/
(Não sei se o mundo está a acabar/ Ou se é terramoto/ Não sei se o mundo está a acabar ou se é terramoto).
Ubika uabu kia ukulué/Dipanda twa itambula uokulué/Pange ni pange kuadijiba yé/A tokala ku dibongolola…/
(A escravatura já acabou há muito tempo/Somos independentes faz tempo/Irmão não mata irmão/É preciso dar-mo-nos as mãos e unir-mo-nos).
Bicesse ieza kuaditendeletu/Gbadolite kuaditendeletu/Lusaka tuadielelá/
(Negociamos a paz em Bicesse e não nos entendemos/Em Gbadolite também não/Mas em Lusaka alcançamos o entendimento).
Nga nudiondu ituminu ietu/O nguma o di xisa phe ku dima/Ua tokala tu kala tuana kiamoxi phala ku tunga o ixi ietu/
Manhi se o ngongo ualo bwa/Manhi se kibwikila…/
(Rogo-vos nossos dirigentes/Deixem a inimizade para trás/É preciso unir-mo-nos para reconstruirmos o nosso país/ Não sei se o mundo está a acabar/ou se é terramoto…).
Eu ficaria por aqui, porque queria referir-me apenas ao facto de, com base nos usos e costumes do nosso povo, quem é careca e não é rico, é feiticeiro. Mas a pertinência, versatilidade e a riqueza da mensagem que a letra encerra, levou-me a traduzi-la na íntegra. A referida letra faz uma incursão pela nossa realidade social, cultural e política, num determinado contexto do nosso país, aspectos que eu não queria deixar de partilhar com os meus compatriotas que não entendem a língua kimbundu.
Eis alguns extractos do resto da letra:
“Dino uai ku tambula o wanga/ ku tambula o wanga ia kitadi/Kimbanda ua o tumisa, ndé phe ka  zeka ni manhenu/
(Dino foi receber feitiço/Feitiço para ter muito dinheiro/O kimbandeiro disse-lhe para se envolver sexualmente com a sua mãe).
Mamã phe Nzambi kandalele/kioso kiexile kujituna o milele/ Manha ua tukumuka mu kilu/ Ai Dino dia kamba diami lelu a biluka dilaji/
(Mas Deus não quis que tal acontecesse/ Quando o Dino estava a destapar os panos da mãe/ Ela despertou do sono/Hoje o Dino, meu amigo, está maluco).
Manhi se ngongo ualo buá/ Manhi se kibwikila/Manhi se o ngolo ualo bua manhé/Manhi se kibwikila/
(Não sei se o mundo está a acabar /Ou se é terramoto).
Mukuetu a kalakala minvu ma yadi phala ku sumba o televisá/Amba kiu sumba o televisá/Ene eza ni mawtá/inzo ua i tondela/Dibitu ua itá monzó/Imbamba ioso ua imbata…/Aiué se kua zediwá, ene ua ku xisa…/
(O outro trabalhou durante dois anos, juntou dinheiro para comprar um televisor/Depois de comprar o televisor/Os bandidos vieram armados/ Cercaram a casa/Arrombaram a porta e roubaram todos os haveres)
Manhi se o ngongo ua lo bwa/Manhi se kibwikila…/ (Não sei se o mundo está a acabar/Ou se é terramoto).
Tundé ku kulukulu ngeleja kididi ya ujitu/
(Desde os tempos remotos as igrejas eram lugares de respeito e de culto).
Mukulu ki tue xilé ngeleja ku itanga mu milembu/
(Nos tempos passados, as igrejas contavam-se pelos dedos da mão).
Lelu kitadi já jinzo uandala ku biluka jingeleja/Uanda kubiluka kididi  ki kala kala kibandu kya uenji/
(Actualmente os quintais foram transformados em igrejas/Hoje as igrejas foram convertidas em locais de comércio ou em balaios de negócio).
Manhi se o ngongo ualo bwa/Manhi se kibwikila/Mainhi se o ngongo ualo bwa kiaué/Manhi se kibwikila/ (Não sei se o mundo está acabar/Ou se é terramoto…).
|Ah! muadiakimi ua saluka/Ualukuenda ni ana ndengue uala ni kitala kia laulá/ Isunjié!|
(Os mais velhos estão malucos/Estão a namorar meninas da idade das suas netas/Inacreditável!).
Aí está, meus compatriotas. Este é o tema que me propus compartilhar convosco, para levar-nos a reflectir, principalmente sobre os fenómenos delinquência, proliferação de seitas religiosas, ou ainda a “febre” das “catorzinhas”, “novinhas” ou “mangas de dez”.
Foi também uma forma que encontrei para homenagear um dos músicos mais queridos dos angolanos.

Tempo

você e o jornal de angola

PARTICIPE

Escreva ao Jornal de Angola.

enviar carta

Multimédia