Opinião

Lixo e invenções

Luciano Rocha

A higiene pública em Luanda é o que se sabe, a revelar a incapacidade de quem não  trata dela como está obrigado a fazê-lo, arranjando as mais estapafúrdias desculpas para “sacudir a água do capote”.

A ideia de acabar com os contentores públicos destinados à recolha de resíduos sólidos, transferir para cada um de nós a responsabilidade de os comprar, pô-los na rua, esperar que o carro do lixo passe para os levar para casa, é a prova provada da falência dos serviços de higiene e limpeza da cidade. E, no mínimo, da incompetência de quem está à frente deles. A demonstrar desconhecimento da cidade.
Ou, o que também su-cede, fingir que a não co-nhece, como se tal bastasse para esconder origens que se renegam.
Pelos vistos, a mentalidade tacanha de procu-rar trazer para Angola aqui-
lo que se gostou de ver lá fora, sem atender às especificidades do nosso país, ainda se mantém. Claro que, como não os fabricamos, os contentores ti-nham de ser importados! Numa altura em que queremos o regresso de capitais que nunca deviam ter saído e temos em marcha as operações “Transparência” e “Resgate”!

Tempo

você e o jornal de angola

PARTICIPE

Escreva ao Jornal de Angola.

enviar carta

Multimédia