Opinião

Muito obrigado, Angola

Saeb Erekat | *

Quando foi publicada a notícia segundo a qual o representante diplomático angolano em Israel tinha marcado presença na cerimónia de recepção organizada pelo Governo israelita para celebrar a inauguração da Embaixada dos EUA em Jerusalém, as pessoas na Palestina não conseguiam entender o que estava a acontecer.

Angola, um país com o qual os palestinos partilham história comum de luta contra o colonialismo, fez parte de uma celebração do apoio do Governo dos EUA aos ataques israelitas e acções coloniais na Palestina ocupada. Desde o início entendemos que algo de errado tinha acontecido e a exoneração de dois diplomatas angolanos responsáveis pela participação angolana naquele acontecimento vergonhoso, tal como anunciado pelo ministro Manuel Augusto, acabou por confirmar o que todos sabíamos: a forte solidariedade de Angola para com a Palestina e a certeza de que certamente Angola nunca faria parte de um insulto contra o povo palestino. No momento em que Israel está a tentar fortalecer as suas relações com os Estados africanos, constitui uma boa oportunidade para falar sobre o contexto das relações entre palestinos e africanos.
Desde o início da revolução palestiniana, o nosso povo se identificou com as lutas dos povos da África. Durante os anos sessenta e setenta os contactos foram institucionalizados e a cooperação entre os nossos movimentos de libertação tornou-se clara. Todos estávamos a lutar pelos mesmos valores e pelas mesmas causas: a liberdade, a justiça, a dignidade para os nossos povos e os direitos soberanos das  nossas nações para conduzir o seu próprio destino. É por isso que quando o povo palestino teve a sua primeira oportunidade de se dirigir à Assembleia-Geral da ONU, no dia 13 de Novembro de 1974, o discurso do falecido líder, Yasser Arafat, foi cheio de referências à África e da solidariedade com as suas lutas.
Ele observou que, em contraste com a posição palestiniana de apoio à autodeterminação africana, ele queria “mencionar brevemente as posições israelitas : o seu apoio à Organização do Exército Secreto na Argélia (…) o seu apoio aos colonizadores na África, seja no Congo, em Angola, Moçambique, Zimbabwe ou África do Sul ”. Ele lembrou à assembleia que os diplomatas israelitas se recusariam a votar em apoio à independência dos Estados africanos. E, além disso, nas suas intervenções Yasser Arafat expunha a nu a aliança estratégica e bem documentada de Israel com o regime do apartheid sul-africano.
O Governo de Israel tem tentado obter apoio africano como parte das suas tentativas de normalizar o seu empreendimento de colonização na Palestina. É por isso que quando alguns países como Togo, Camarões, Congo, República Democrática do Congo, Etiópia, Quénia, Ruanda, Tanzânia e Zâmbia enviaram os seus embaixadores para celebrar a mudança ilegal da Embaixada dos EUA para Jerusalém, imediatamente percebemos que havia algo de errado nos seus cálculos. Por exemplo, quando o ministro das Relações Exteriores da Tanzânia, Augustine Mahiga, declarou recentemente que o líder de Israel, Benjamin Netanyahu, “é um homem que interpretou correctamente os tempos, as mudanças, a dinâmica política - especialmente após o fim da Guerra Fria - África ”, não podemos deixar de discordar. É verdade que os países seguem os seus próprios interesses. Mas também é verdade que os países que sofreram com o colonialismo tendem a ser rever completamente nos valores da liberdade e libertação. Você não luta contra um regime colonial opressivo para se associar a outro regime que oprime os outros povos.
O nosso querido irmão e camarada, o falecido Nelson Mandela, disse que a África do Sul venceu a luta contra o apartheid e que “sabemos muito bem que a  nossa liberdade é incompleta sem a liberdade dos palestinos”. A África do Sul poderia ter feito a escolha de apenas “seguir a nova era” e esquecer a opressão pela qual passaram. Mas a África do Sul tornou-se uma autoridade moral em todo o mundo, pressionando pelo respeito aos direitos de autodeterminação dos povos em todo o mundo. Recentemente, enquanto a Etiópia, Quénia, Ruanda e Togo decidiram se abster na votação para enviar uma comissão independente de inquérito sobre o massacre israelita em Gaza, a representante sul-africana, Nozipho Joyce Mxakato-Diseko, tinha apelado para um voto a favor.
A diplomata sul-africana defendia que “ouvir as justificativas das acções tomadas pelo Governo de Israel, e o apoio ilegal dos EUA (…) lembrava a minha delegação como o regime do apartheid era ligeiro e desprezível a justificar as suas atrocidades em massa”.
A Palestina, o seu povo e o movimento de libertação nacional, estão orgulhosos do apoio histórico das nossas irmãs e irmãos africanos, já que isso é uma questão de princípio. Com base nesses fortes fundamentos morais, construiremos um futuro de liberdade e de igualdade, de justiça e de prosperidade para todos. Tal como Israel usa a sua “cooperação” como forma de branquear os seus crimes, o colonialismo e regime de apartheid na Palestina, Angola lembrou a muitos que o seu apoio ao Direito Internacional, à autodeterminação do povo palestiniano não está à altura de qualquer negociação política, incluindo a pressão da administração Trump e do Governo israelita.
Estamos ansiosos pelo momento em que inauguraremos a Embaixada angolana no Estado da Palestina em Jerusalém Oriental, a nossa capital. O momento em que podemos acolher os nossos irmãos e irmãs angolanos num país livre. A nossa luta é pela Palestina, para se tornar um país livre que acolhe os seus irmãos e as suas irmãs de todo o mundo. Aguardamos ansiosamente o dia em que milhares de angolanos desfrutarão da herança cultural do nosso país, seja em Jerusalém, Belém, Jericó e outros lugares. Estamos ansiosos por continuar a escrever a História comum como africanos e palestinos, fortalecendo a  forte solidariedade internacional e firmeza. Os fundamentos morais dessa relação não poderiam ser mais fortes.
É a primeira vez que publico um artigo de opinião num jornal africano não árabe, e estou orgulhoso por este jornal ser angolano. Em nome da liderança e das pessoas palestinianas, permitam-me que agradeça a Angola pelo seu compromisso com o direito do povo palestiniano à liberdade, justiça e paz.

 * Secretário-geral da Organização de Libertação da Palestina (OLP)

Tempo

você e o jornal de angola

PARTICIPE

Escreva ao Jornal de Angola.

enviar carta

Multimédia