Opinião

Atendimento nos hospitais

 

Uma das razões que leva muita gente aos hospitais  centrais públicos,  ao em vez  de recorrerem à  unidades hospitalares do Estado consideradas primárias é o mau atendimento que se verifica nestas últimas. 

O doente pretende curar-se  e quando se apercebe que há  unidades hospitalares  desprovidas  de medicamentos  e de médicos, ele dirige-se naturalmente   aos hospitais com melhores condições. A municipalização dos serviços  de saúde não  pode ficar apenas no papel. Ela tem de se traduzir na prática numa boa assistência médica e medicamentosa. 

 Ninguém consegue perceber  por  que razão faltam médicos em muitos hospitais primários(municipais e comunais), quando  há médicos desempregados. 

 O sector da Saúde é ou não afinal uma prioridade? Tem de haver verbas para se tratar bem da saúde dos cidadãos.  É necessário que os hospitais primários que estão nos municípios  funcionem em pleno. 

Há   municípios com cerca  de um milhão de pessoas, pelo que se justifica  que se preste muita atenção  aos hospitais municipais. 

É preciso que se valorize o trabalho efectuado pelos enfermeiros e médicos dos hospitais municipais, dando-lhes boas condições de trabalho. A maioria da  nossa população não tem possibilidade de ir a clínicas privadas,  que são frequentadas por  famílias com altos rendimentos. A maior parte dos cidadãos vão  aos hospitais públicos.   

Conceição  João 

Cassequel      

 

 

Matrículas e encarregados

Nesta altura do ano, são muitos os pais  e encarregados de educação  que se preocupam  em colocar os seus filhos ou educandos  na escola pela  primeira vez  ou em confirmar matrículas .  

Com a crise económica e financeira, muitos  pais  e encarregados educação estão a tirar  os seus filhos ou educandos de colégios privados, para os  colocar em escolas públicas, para evitarem custos elevados com as propinas. Talvez seja por isso que aumentou a pressão sobre o ensino público, que, ao que parece, não tem muita capacidade para atender à procura, porque faltam salas de aulas e professores, ao nível, por exemplo,  do ensino primário.

Josué  António Marçal 


Tempo

você e o jornal de angola

PARTICIPE

Escreva ao Jornal de Angola.

enviar carta

Multimédia