Opinião

Cartas do Leitor

Património histórico Escrevo para este espaço para apelar às autoridades para preservarem o nosso património histórico. Soube que houve arquitectos que não contiveram lágrimas quando se destruiu no país monumentos que fazem parte da nossa memória colectiva. Assistiu-se a períodos em que se queria partir tudo, para se edificarem"arranha céus". Os que queriam fazer arranha-céus tinham muito poder e não se importavam com a História de Angola.

Espero que se suspenda rapidamente a destruição do património. Que os governadores provinciais não deixem que indivíduos que só querem ganhar dinheiro destruam o nosso património histórico e cultural . Há pessoas que andaram a brincar com o nosso país e com o seu povo, desrespeitando-os. Há arquitectos e sociólogos angolanos que choraram quando foi partida a Praça do Kinaxixi.Não sou arquitecto nem sociólogo, mas por alguma razão eles ficaram indignados. Eles infelizmente nada podiam fazer. Não tinham poder. O poder político de então não perdoava quem contestasse as suas decisões. Eram os interesses de um grupo de pessoas que estavam sempre acima dos interesses da colectividade. Espero que agora, com uma nova governação, as coisas mudem. Que se travem as demolições do nosso património histórico. Que se acabe, definitivamente, com o abuso do poder, que prejudicava milhões de pessoas. Que tenhamos um país em que se respeitem as leis .
Helena Panzo | Maculusso


Campanhas de limpeza
Gostava que os cidadãos voltassem a realizar campanhas regulares de limpeza nos seus bairros, nesta fase em que as autoridades ainda não estão em condições de recolher todos os resíduos sólidos que são produzidos nos diferentes bairros da província de Luanda. Penso que as administrações municipais deviam promover campanhas de limpeza em vias secundárias e terciárias. Há na verdade muitas vias secundárias e terciárias que andam muito sujas e importa que os cidadãos tomem a iniciativa de as limpar, enquanto o serviço público de recolha de lixo não for abrangente. Não devemos viver com o lixo em frente às nossas portas. O lixo causa doenças .Há bairros com muitos mosquitos. Enquanto o Estado não tiver capacidade para realizar uma recolha de lixo eficiente, temos, em minha opinião, de ser nós , os cidadãos, a fazer alguma coisa para reduzirmos os riscos de ficarmos permanentemente doentes e até de morrermos de malária.Não quero com isto dizer que o Estado nada deve fazer para limpar todos os bairros de Luanda. O que sugiro é que não devemos ficar de braços cruzados a ver o lixo a amontoar-se em muitas zonas da capital. Alguma coisa devemos fazer.
Apolinário Pinto | Bairro Popular


Leitura e livros
Tenho constatado que os jovens lêem hoje muito pouco. Dificilmente noto jovens preocupados em comprar livros para aumentar a sua bagagem cultural. Isso pode ter a ver com os preços dos livros. Em Angola, durante o período do partido único, os livros já foram muito baratos. Quase toda a gente comparava livros, mesmo que fosse só para enfeitar as estantes de casa. Alguém escreveu recentemente a sugerir que a importação de livros fosse isenta de impostos. Penso que se trata de uma boa ideia e o Governo devia reflectir sobre essa sugestão. Há muitos jovens que querem ter acesso a livros, mas não têm dinheiro para os comprar, pois os preços são agravados, ainda mais, com as taxas de impostos.
Herculano Alfredo | Ilha de Luanda

Tempo

você e o jornal de angola

PARTICIPE

Escreva ao Jornal de Angola.

enviar carta

Multimédia