Opinião

Especulação

Sempre que nos confrontamos com situações excepcionais, de repente os operadores do comércio comportam-se como se nunca tivessem lucrado, como se fossem as únicas pessoas que pensam e como se, dependendo deles, o enriquecimento ocorre num ápice.

Fazem todas as manobras para lucrarem rapidamente mesmo sabendo que tanto podem incorrer na situação anterior e enfrentar a justiça, como podem continuar a lucrar e manter os seus negócios. Em países em que vigora uma certa ordem, legal ou ditatorial, quem governa, em tempos de dificuldades, deve manter o foco na actividade dos comerciantes porque eles acabam por se ver tentado a manobrar os preços. Umas vezes praticam preços incomportáveis, aproveitando-se da procura e ingenuidade dos compradores, outras vezes praticam o açambarcamento, uma prática prevista e punível por lei. Embora não seja um defensor de medidas mais drásticas para “pôr na ordem” os comerciantes especuladores, verdadeiros criminosos do comércio, não fica nada mal augurar que os mesmos sejam devidamente castigados.
A penalização deve lembrá-los de que não podem incorrer em práticas que acabam descobertas e devidamente punidas. Acho que além das entidades que superintendem, o comércio, na vertente fiscalização, as populações, enquanto principais destinatárias lesadas das práticas irregulares de comerciantes gananciosos , devem ser as primeiras a denunciar vigorosamente.
Não se pode admitir que os consumidores se conformem com as irregularidades que ocorrem ao nível do comércio, ao ponto de se comportarem como coniventes de actos que deviam parar nas barras dos tribunais.
Vale lembrar que, por exemplo, no início da guerra do Golfo, quando alguns operadores do comércio, no Iraque de Saddam Hussein, pretendiam aproveitar-se para especular, o falecido ditador tinha mandado enforcar 50 comerciantes.
Acho que em Angola não precisamos de chegar a tais extremos, na medida em que grande parte das situações irregulares do nosso comércio não passam despercebidos das instituições.


PAULO VARANDA
Rocha Pinto



Tempo

você e o jornal de angola

PARTICIPE

Escreva ao Jornal de Angola.

enviar carta

Multimédia