Opinião

Filhos de zungueiras

Tomei conhecimento, com muita satisfação, de que um jovem que concorreu para a admissão na Universidade Agostinho Neto (cursos de Engenharia Electrónica e Matemática) obteve nota máxima (20 valores).

O que suscitou a minha curiosidade foi também o facto de aquele jovem, Arlindo Vunge Miguel, ser filho de uma zungueira. Tenho muito respeito pelas zungueiras pelo sacrifício diário que fazem para sustentar os seus filhos. Muitas das nossas zungueiras são chefes de família e acredito que Arlindo Vunge fez o ensino médio com rendimentos que a sua mãe obtinha nas longas caminhadas a pé pela cidade de Luanda.Não pude conter as lágrimas quando li a notícia do feito do jovem Arlindo Vunge. É um bom exemplo de sacrifício e dedicação. Enquanto a sua mãe andava ao sol e à chuva para vender qualquer coisa, ele dedica-se aos estudos. Arlindo Vunge valorizou o trabalho árduo da sua mãe e recompensou-lhe com a entrada na Universidade com uma nota máxima. Qualquer mãe gostaria de ter um filho como o Arlindo Vunge. Presto aqui uma homenagem a todas as mães zungueiras de Angola que todos os dias batalham para dar de comer os seus filhos e fazer com que não faltem à escola. Sugiro que as autoridades competentes façam tudo para se conceder uma bolsa de estudos interna a Arlindo Vunge, para que este possa, durante o curso superior, comprar livros e satisfazer outras necessidades. Os livros do ensino superior são caros e a mãe de Vunge pode não conseguir dinheiro suficiente para os comprar. Tenho certeza de que Arlindo Vunge vai ser um bom engenheiro no futuro. Vale a pena apostar nele. Aproveito este espaço para apelar ao Governo para continuar a conceder bolsas de estudo a jovens de famílias pobres e que mostrem poderem vir a ter elevadas competências. Precisamos de quadros capazes de ajudar o país a se desenvolver.
Hermínia Alfredo | Samba


Mototaxistas estudantes
Há hoje na cidade capital muitos mototaxistas. São na sua maioria jovens que usam em muitos casos o dinheiro que ganham para pagar as propinas no ensino médio e nas faculdades. Falei muitas vezes com esses mototaxistas e eles disseram-me que realizam esta actividade para acabar os cursos, mas que não têm intenção de continuar a andar pelas estradas a transportar pessoas, depois de conseguirem os seus diplomas. Há muitos jovens no país empreendedores e interessados em realizar diverso tipo de negócio. Acredito que se desse oportunidades aos jovens para conseguirem um emprego ou realizar um negócio, a criminalidade no país havia de diminuir consideravelmente. Muitas pequenas empresas foram à falência, atirando milhares de jovens para o desemprego. Há que se pensar numa estratégia para se pôr de novo a funcionar essas pequenas empresas, a fim de se ajudar as famílias, que precisam de rendimentos para poderem resolver os seus problemas.
Jacinto Pinto | Cassequel


Casas de banho
Gostava de sugerir que as administrações municipais trabalhassem no sentido de todas as escolas públicas terem casas de banho dignas. Não consigo perceber como é que no nosso país é mais fácil comprar-se carros de luxo e fazer-se projectos megalómanos e não se conseguir ter casas de banho em condições nos nossos estabelecimentos de ensino públicos, quer para alunos, quer para professores. Que os administradores municipais saiam dos gabinetes e visitem as escolas situadas nas suas circunscrições para se inteirarem do seu estado.
Helena António | Maianga

Tempo

você e o jornal de angola

PARTICIPE

Escreva ao Jornal de Angola.

enviar carta

Multimédia