Opinião

O desemprego

Engrácia Sebastião Ingombota

O desemprego é um dos principais problemas que "estamos com ele".

Uma via para se acabar com os desemprego, segundo os especialistas, é a promoção do crescimento económico. mas para haver crescimento económico tem de haver empresas e emprego. Não sei se o aumento da carga fiscal é a melhor via para incentivar as empresas a produzir. Era bom, quanto a mim, que os nossos governantes estudassem a realidade de países que passaram pelos mesmos problemas que nós, para sabermos que medidas tomaram para saírem de crises económicas e financeiras. Perante os nossos graves problemas económicos e financeiros, é hora de colocarmos os nossos melhores cérebros a dar as suas contribuições, vivam eles em Angola ou no estrangeiro. Os melhores técnicos não estão necessariamente no Governo. É preciso, como sugere, o prestigiado economista angolano Alves da Rocha, que haja o hábito de os governantes pedirem contribuições às universidades, públicas e privadas, em particular aquelas que têm estruturas que se dedicam à investigação científica em diferentes áreas do saber. Um governo que se preze não deve subestimar o conhecimento. Os governantes devem ser humildes e reconhecer que pode haver mais conhecimento para lá da actividade governativa. Atravessamos momentos muito difíceis, pelo que importa que todos os angolanos com saber possam dar as suas contribuições. É preciso saber ouvir os especialistas, independentemente de se gostar deste ou daquele técnico. Os interesses do país devem estar acima de problemas de ordem pessoal. Não se deve excluir um técnico nacional com elevadas competências profissionais do processo de resolução de complexos problemas do país, só porque alguém tem receio de perder um cargo, como muitas vezes acontece.
O país perdeu muito com práticas de indivíduos que discriminavam os seus próprios compatriotas, só porque estes cometeram o “crime” de terem muitos conhecimentos e de serem capazes de resolver os problemas. Que as coisas mudem de facto e que se afastem, isso sim, aqueles que andam a travar o processo de mudanças efectivas, que podem trazer bem-estar para as nossas populações.


Vitória do 1º de Agosto

Estou satisfeito com o resultado obtido pela equipa angolana do 1º de Agosto na Zâmbia, no jogo com o Green Eagles, da primeira mão da última eliminatória de acesso á fase de grupos da Liga dos Clubes Campeões Africanos de Futebol.
O 1º de Agosto tem-nos surpreendido com bons resultados fora do país. Recordo-me do célebre jogo no Congo Democrático com o TP Mazembe, e que resultou, contra todas as expectativas, na eliminação da poderosa equipa da RDC. Os bons resultados do 1º de Agosto devem-se certamente à competência da direcção do clube militar. O 1º de Agosto, a continuar a consolidar a sua estrutura organizativa, pode vir a ser uma dos grandes clubes de África.
Que o resultado conseguido na Zâmbia não leve entretanto os jogadores do 1º de Agosto a subestimar o adversário zambiano no jogo da segunda mão. Como se costuma dizer, não há dois jogos iguais. Que haja também empenho e entrega total no jogo da segunda mão. Desejo êxitos aos jogadores do Petro que vão a Kampala para uma operação difícil, porque desejo que haja duas equipas angolanas na fase grupos. Nada está perdido. O Petro pode ultrapassar a equipa ugandesa, o Kampala City, no seu reduto. O Petro tem de marcar golos e pode fazê-lo se houver maior concentração da parte dos seus atacantes. O Petro de Luanda tem jogadores para eliminar o Kampala City.

Vladimiro António
Prenda

Tempo

você e o jornal de angola

PARTICIPE

Escreva ao Jornal de Angola.

enviar carta

Multimédia