Opinião

Passar no vermelho

António Cardoso| Sambizanga

Escrevo a propósito do funcionamento dos semáforos e do cumprimento das regras perante os mesmos por parte dos automobilistas e peões.

Felizmente, cada vez mais ruas estão a ver a circulação de automobilistas e peões facilitada com a entrada em funcionamento dos chamados “sinais luminosos”, como outrora eram designados popularmente.
Uma das coisas negativas que noto, com o funcionamento dos semáforos, tem a ver com o facto de, sobretudo nos cruzamentos, por um lado, um dispositivo dá ordem de circulação de viaturas e, por outro, na perpendicular, o outro dispositivo dá igualmente ordem de andamento aos peões. Já vi viaturas a cruzarem-se com peões num momento em que ambos tinham ordem de circulação dada pelos semáforos em vias distintas, mas que se cruzavam.
Quanto ao cumprimento, é com muita tristeza que noto o desrespeito pela observância das “luzes do semáforos”. Há automobilistas que não se importam de passar, quando proibidos pela luz vermelha, correndo mesmo o risco de colidirem com outros que, no sentido inverso, tenham a permissão de avançar.
Há, igualmente, peões que, perante o semáforo, não sabem identificar as coordenadas dadas pelo dispositivo e, não poucos, pensam que os “sinais luminosos” apenas se dirigem aos automobilistas. Lamentavelmente.

Tempo

você e o jornal de angola

PARTICIPE

Escreva ao Jornal de Angola.

enviar carta

Multimédia