Opinião

Tapa buraco

Escrevo para o Jornal de Angola pela segunda ou terceira vez, salvo erro, e faço-o  hoje para falar na necessidade de o país criar uma estrutura, podia até ser privada, para lidar somente com os buracos nas estradas.

Não sei se ao nível do Ministério da Construção, da Direcção Nacional de Viação e Trânsito, Instituto Nacional de Estradas ou que entidade, exactamente, é que trata da manutenção das estradas. O país criou e continua a criar numerosas estruturas, comissões, empresas, para as mais variadas funções, mas parece estranho que não haja nenhuma para lidar com uma situação de extrema importância. Se fôssemos rigorosos a medir os efeitos nefastos causados pelo estado das nossas estradas, não há dúvidas de que teríamos já envidado esforços no sentido da criação de uma estrutura. Não me refiro apenas do ponto de vista da sinistralidade rodoviária, que acaba por tirar a vida e tornar inválidos milhares de compatriotas, mas também do ponto de vista do impacto sobre a vida económica. Já paramos para pensar o quanto custa aos empresários o tempo que se perde nas estradas por causa do seu estado que acarreta lentidão ao trânsito automóvel ?  Mesmo dentro caso urbano, o trânsito, algumas vezes, deixa de estar fluído por conta de numerosos buracos na estradas. Urge criar uma estrutura em todo o país, se necessário nas grandes cidades onde a vida económica depende largamente do trânsito automóvel, para lidar com actividades de tapa buraco. Serviria como uma espécie de manutenção das estradas e sempre que, por algum motivo surgisse um buraco daria para impedir o seu alargamento.

Carlos Sacramento | Catete

Tempo

você e o jornal de angola

PARTICIPE

Escreva ao Jornal de Angola.

enviar carta

Multimédia