Opinião

Vacinação contra a poliomielite

É importante que haja campanhas contra a poliomielite para proteger as nossas crianças. Acontece porém que há pessoas que, em virtude das suas “convicções religiosas”, impedem os filhos de serem vacinados. Gostaria que houvesse campanhas de sensibilização junto de famílias que pertencem a igrejas que não deixam que os seus crentes vão vacinar os seus filhos.

É importante que haja campanhas contra a poliomielite para proteger as nossas crianças. Acontece porém que há pessoas que, em virtude das suas “convicções religiosas”, impedem os filhos de serem vacinados. Gostaria que houvesse campanhas de sensibilização junto de famílias que pertencem a igrejas que não deixam que os seus crentes vão vacinar os seus filhos.
Não devemos permitir que crianças deixem de ser vacinadas porque pastores de certas igrejas (serão realmente igrejas?) entendem que os menores da sua congregação não podem ser vacinados, com argumentos absurdos.
Que se denunciem essas pretensas igrejas que impedem que se evitem doenças. As nossas crianças têm de ser protegidas. A vida humana é um bem fundamental e o Estado deve protegê-la a todo o custo.
Margarida Pedro | Samba

 

O combate ao desemprego
Soube que a taxa de desemprego no nosso país é das mais altas de África (quase trinta por cento). Penso que esta situação deve continuar a preocupar as nossas autoridades, que devem encontrar as melhores soluções para se diminuir o número de desempregados no país. O desemprego gera muitos problemas sociais. Há muitas famílias que são afectadas pelo desemprego.
Segundo se diz, há empresas que continuam a fechar as suas portas, por falta de dinheiro para financiar as actividades produtivas. Os bancos comerciais fazem muitas exigências para conceder crédito às empresas, o que é criticado por vários empresários. Os bancos podem ter as suas razões para fazerem essas exigências.
Mas é preciso que se faça alguma coisa para que pequenas e médias empresas possam ter acesso ao crédito bancário. Que se estudem mecanismos que não prejudiquem os bancos comerciais e ao mesmo tempo facilitem a actividade produtiva. Sem empresas não há empregos.
O Estado não está em condições de continuar a empregar muita gente. Os bancos, quanto a mim têm excessiva desconfiança em relação a pequenas e médias empresas, devido a práticas do passado. Há quem (e não são poucos) usou mal os créditos concedidos por bancos comerciais e não pagam a estas instituições o que devem. Nenhum banco gosta de ter crédito mal parado.
Esmeralda Afonso | Ilha do Cabo


Escoamento de produtos agrícolas
O Governo tem um programa que visa resolver o problema do escoamento dos produtos do campo para as zonas urbanas, com um maior envolvimento do sector privado.
No passado cometeram erros, que vão ser corrigidos ao longo da implementação do referido programa. Os camponeses produzem e precisam que os seus produtos sejam consumidos pelos mercados, a fim de conseguir dinheiro para continuarem a produzir. Se houver escoamento regular de produtos dos campos, os preços destes hão-de baixar. Importa que muitos milhares de consumidores possam comprar produtos do campo. Que desta vez tudo dê certo.
Narciso do nascimento | Maculusso

 

 

 



Tempo

você e o jornal de angola

PARTICIPE

Escreva ao Jornal de Angola.

enviar carta

Multimédia