Citações

Citações

 Amigos e companheiros da vida musical, quero aqui agradecer-vos pelas vossas contribuições  para o meu reconhecimento público, ao receber o Prémio Nacional da Cultura 2017 , no domínio da música.

Carlos Lamartine | Músico e composito

Mais Citações

  • “Só com muito treino é que os serviços de saúde  podem dar respostas efectivas  e eficientes a situações de emergência
    Aires Africano - Médico


    Os partidos políticos não dão empregos à juventude, daí o nosso apelo a quem de direito para continuar a traçar políticas tendentes a melhorar as condições sociais da juventude, sobretudo a sua inserção no mercado de trabalho
    Aly Mango - Líder juvenil da UNITA


    “Há cinco anos era possível a isenção de impostos à cesta básica, mas actualmente não
    José Severino - Presidente da Associação Industrial Angolana (AIA)


    Algumas pessoas de má-fé têm estado a realizar uma campanha contra o Estado angolano como consequência da 'Operação Transparência', que decorre no país, sobretudo na Lunda-Norte
    Ângelo Tavares - Ministro do Interior

     “Esperamos que o processo para a solução política na Síria continue, porque não há alternativa
    Dmitri Peskov - Porta-voz do Presidente da Rússia

  • Quando a casa do vizinho está a arder, põe a tua barba de molho, diz a sabedoria popular. Uma das consequências, surpreendente e potencialmente perigosa, da nova era das tecnologias da comunicação é de se ter esbatido esta noção de “vizinhança”: comunicamos mais facilmente com um “amigo”, do outro lado do mundo, do que com o vizinho, aqui muito por perto, por vezes do outro lado da rua, ou do patamar. Acontece o mesmo com as notícias, nomeadamente, em África. Focalizados no “mundo global” minimizamos o que acontece ao lado, mesmo quando estamos a assistir o braço-de-ferro entre “potências globais”.

    Eduardo Beny

  • Desde cedo que nós os africanos aprendemos, ou pelo menos ouvimos amiúde dizer, que o continente berço é potencialmente rico. Com efeito o continente africano é, comprovadamente, uma das regiões do mundo com grandes potencialidades naturais.

    Sebastião Vinte e Cinco*

  • Reeducação do cidadão
    Numa altura em que muito se fala sobre a moralização da sociedade, urge reeducar o cidadão para que este ganhe consciência sobre o papel que toda a sociedade espera dele. Esta é a razão que me leva a escrever estas linhas para essencialmente apelar ao civismo, às boas práticas, às boas maneiras e ao respeito.  É verdade que temos uma cidade sem balneários públicos. Penso que o Governo de Luanda podia encontrar uma solução que, em minha opinião seria plenamente exequível, contando com os mercados, as casas de restauração, bares e similares em todas as zonas da cidade. Todas estas casas deviam comportar, como se espera sempre, quartos de banho que deviam servir como alternativa à falta de balneários públicos na cidade. Deve haver uma concertação entre o Governo da Província de Luanda e as casas de restauração e os mercados, mesmo que para o efeito a governação podia comprometer-se com o fornecimento regular de água através de viaturas cisternas. Se essa medida for bem sucedida, depois decretava-se a proibição de se efectuar necessidades menores na via pública, com multas ou prisões, se necessário para mantermos limpa a cidade.
    Cidália Fernandes| Cazenga

    Ruas de Luanda
    As ruas de Luanda estão a conhecer intervenção da parte das entidades governamentais de Luanda, por iniciativa da governação liderada pelo Dr. Adriano Mendes de Carvalho. A governação de proximidade tem sido uma marca de Adriano de Carvalho, um governador dialogante e que tem feito tudo ao seu alcance para que as medidas adoptadas, quando se trata da governação, reflictam a vontade dos munícipes de Luanda. Não conheço pessoalmente, nem que para isso fosse  necessário para tecer as palavras que escrevo nestas modestas linhas, que servem, acima de tudo, para encorajar na senda em que se encontra. Interpretem como entenderem as minhas palavras de enaltecimento e encorajamento do governador de Luanda, mas são apenas as minhas palavras  e a minha opinião enquanto munícipe de Luanda. Sei que não é fácil governar uma província onde se confundem numerosos interesses. Mas o importante, em minha opinião, que os esforços que se fazem acabem por beneficiar os munícipes da cidade capital. Sendo capital, Luanda representa em certo sentido o espelho do país, razão pela qual nesse mesmo espelho devem reflectir-se, preferencialmente, as coisas mais exemplares.
    Artur de Ataíde| Cazenga

    Trabalho de estatística 
    Em tempos, o director do Instituto Nacional de Estatística (INE) defendeu que a falta de investimento na área de estatística, no passado, prejudicou muito o trabalho daquela importante área. Em minha opinião, o Estado deve apostar mais nos serviços do INE porque a tomada de decisão, por parte dos detentores de cargos públicos, depende muito da informação precisa e exacta que os chega às mãos. Inclusive o investidor estrangeiro também se guia, na maioria das vezes, pelos dados divulgados pelo INE que, tendo condições de produzir informações actualizadas e com base em padrões universalmente aceites, contribui muito para o avanço do país. O INE precisa de ser potenciado para estudar várias áreas da nossa sociedade. Há países que as decisões políticas são quase sempre sustentadas em estudos ou levantamentos das instituições que lidam com a estatística. Hoje, há administrações municipais e comunais que nem conhecem o número de habitantes da sua circunscrição. Como é que uma entidade local pode administrar ou acompanhar uma determinada área, por exemplo, em matéria de  educação se não souber o número da população estudantil?
    Amélia Martins|Bairro Operário

Tempo

você e o jornal de angola

PARTICIPE

Escreva ao Jornal de Angola.

enviar carta

Multimédia