Citações

Citações

“Continuamos a defender, que a ideia de que para responder de forma positiva à situação política e de segurança na RDC, devemos agir em conjunto e em respeito às posições da SADC, UA e da ONU”

João Lourenço | Presidente da República

“É necessário, que os cidadãos e as empresas paguem os impostos e sejam mobilizados sobre a importância do mesmo, para que uma autarquia tenha receitas próprias”

Mário Pinto de Andrade |  Deputado do MPLA 


“Não podemos resumir a burocracia a actos administrativos, alguns dos quais necessários para aferir a capacidade do cidadão, que pretende entrar no nosso país”

Gil Famoso | Director-geral dos Serviços de Migração e Estrangeiros

“Nos dias de hoje é impossível não contar com as Tecnologias de Comunicação e Informação (TIC), em tudo que faz parte da vida, tudo se faz através das TIC , desde os pagamentos de impostos até aos serviços dos tribunais”

José Carvalho da Rocha | Ministro das Telecomunicações e Tecnologias de Informação


Mais Citações

  • “Não sou milionário e muito menos bilionário. Não me sinto parte do grupo de pessoas que, sem justificação, têm grandes fortunas”
    João Lourenço | Presidente da República, em entrevista ao semanário português  "Expresso"

    “São conhecidos os que traíram a Pátria. A Nação conhece-os, sabe quem são e o que fizeram”
    Idem

    “Compreendo o desespero das pessoas, não tanto a forma como as análises, às vezes, são feitas, mas a avidez por condições melhores é um  sentimento humano que é absolutamente normal e que temos de compreender”
    Idem

    “A visão do Governo é de assegurar o desenvolvimento contínuo de uma indústria da comunicação social assente num quadro regulatório favorável ao exercício de direitos e liberdades fundamentais, tais como a liberdade de expressão e de imprensa e o direito dos cidadãos à informação”
    Carlos Agostinho do Rosário | Primeiro-ministro  de Moçambique

    “A sociedade moçambicana espera que os profissionais de comunicação social, no exercício da actividade, privilegiem também o princípio do contraditório, com vista a apurarem a veracidade dos factos antes da publicação das matérias ”
    Idem

  • A preocupação pelo melhoramento dos serviços públicos deve  ser  permanente. Nunca devemos desistir de criar  procedimentos administrativos  que  reduzam a excessiva  burocracia,  para  que os serviços públicos  possam  de facto servir convenientemente as populações.

  • Descentralização administrativa
    Vêm aí as autarquias locais  espero que o país venha a mudar com a descentralização administrativa. É preciso que a vida dos angolanos  mude de facto. Muita gente anda a sofrer. Que os municípios  possam, no quadro do poder  autónomo, resolver os problemas das populações. Mas, quanto a mim, não basta que haja  formalmente descentralização administrativa.
    É importante  é que  a autonomia local seja de facto uma realidade.Temos municípios com  muitos problemas graves  por resolver. A descentralização administrativa vai, em minha opinião, ser um dos grandes acontecimentos no nosso país, daqui a  dois anos. Que se diga  às pessoas o que é  descentralização administrativa  para saberem das vantagens deste modelo de organização.
    Amélia João | Maculusso

    Os serviços públicos

    É preciso que  se continue a prosseguir a eficiência dos serviços  públicos. Há ainda problemas  no atendimento  ao público. Que  os chefes dos departamentos ministeriais estejam mais atentos  ao desempenho dos serviços  que têm de dirigir. O bom atendimento ao público é essencial para  resolvermos problemas de ordem burocrática. Há servidores públicos que insistem em complicar a vida de cidadãos para daí retirar vantagens materiais. Os chefes dos departamentos materiais devem fazer visitas regulares  aos serviços que estão sob sua alçada, de preferência  sem aviso prévio, para saberem como funcionam os serviços. Há em muitos serviços públicos um mau atendimento ao público. Um familiar meu que foi receber  o seu Bilhete de Identidade disse-me uma funcionária a  falar ao telefone durante mais de trinta minutos. Imaginem quantas pessoas ficaram sem ser atendidas durante este espaço de tempo.    
    Hernani Francisco | Cassenda  


    Exames e qualidade de ensino

    Gostava que  depois dos exames finais, o Ministério da Educação  fizesse uma avaliação do desempenho dos estudantes em todos os níveis de ensino,  para saber  se tem havido evolução  em termos de aproveitamento escolar.
    Fala-se muito da má qualidade do ensino em Angola, mas  dificilmente  vejo dados sobre   o desempenho dos nossos estudantes. Quais são afinal  as principais causas  da  má qualidade do nosso ensino? É precioso  que  se faça um diagnóstico sobre  o que realmente se passa nas nossas escolas, do ensino primário ao  superior. Será que esse diagnóstico já foi feito? 
    Se já foi feito, quais são as medidas que se irão tomar? 
    O ensino é um sector  que deve merecer especial atenção das autoridades.Sei que  o actual governo  está empenhado em melhorar a qualidade do ensino. Que este empenho  produza resultados, pois é disso que nós precisamos.
    É importante  que se conheça bem o que se passa no nosso ensino, para se poder encontrar as melhores soluções para os problemas. Que os melhores quadros do país sejam mobilizados para produzir ideias  destinadas a ter um bom ensino. Precisamos de  incentivar  os quadros a produzir ideias. Que ninguém tenha receio das criticas e que haja  disponibilidade para se reunir os nossos  “cérebros” que querem contribuir para o desenvolvimento do país. É necessário que se valorizem os quadros que têm elevadas competências. O país ficará a ganhar.    
    Frederico António | Maianga

  • Devido aos escassos recursos financeiros, a maioria dos países africanos, e Angola não é excepção, continuam a encarar a questão de propriedade das companhias aéreas como um assunto delicado, visto que só os investidores estrangeiros podem individualmente comprar grandes fracções de acções ou assegurar posições vantajosas ou controlo das organizações.

    Pedro Luís Pinheiro*

Tempo

você e o jornal de angola

PARTICIPE

Escreva ao Jornal de Angola.

enviar carta

Multimédia