Citações

Citações

“Recebi o ministro das Relações Exteriores de Angola num momento auspicioso para o relacionamento entre os nossos países com o retomar das visitas  de alto  nível; a minha visita a Angola renovará o dinamismo dos laços que unem Portugal  e Angola, os nossos  povos e  empresas.”
António Costa  | Primeiro  Ministro de Portugal   


“É notório e reconfortante  constatar que temos um ramo em franco desenvolvimento e  modernização.”
Egídio de Sousa | Chefe do Estado-Maior General das FAA, em mensagem dirigida à Marinha de Guerra de Guerra


“Não tenhamos ilusões  em relação à qualidade de ensino e ao desenvolvimento do país; se as autoridades, que devem velar pela melhoria da qualidade de ensino, continuarem a querer nivelar por baixo e a criar facilidades aos  amigos e protegidos, não vamos a lado algum.”
Paulo de  Carvalho | Sociólogo e professor universitário


“O ultrapassado sistema de 'numerus clausus' permite que sejam admitidos candidatos com notas negativas ou com positivas muito baixas.”
Victor Kajibanga | Sociólogo e professor universitário


“Se juntar divisas com calma, certamente que se consegue  comprar um carro usado por metade do preço, mas as dificuldades seriam maiores se fosse para importação de uma viatura totalmente nova.”
José Severino | Presidente da Associação Industrial Angolana

Mais Citações

  • Uma tarde destas fiz uma breve incursão pela velha Maianga, que nasceu tanta gente boa  de Luanda e acolheu tantos outros como mãe, que lhe retribuíram como filhos devotos.

    Luciano Rocha

  • Contra as chuvas
    Sou estudante do Ensino Superior e escrevo preocupado com o que as chuvas estão a fazer nas províncias em que as quedas pluviométricas já deram o ar da sua graça. Segundo algumas previsões, prevê-se que nesta época tenhamos cargas elevadas de chuva em determinadas zonas do país. Acho que não estamos a  preparar-nos o suficiente para as intempéries que se aproximam. Parece que andamos feitos prisioneiros da filosofia segundo a qual enquanto o perigo não chega não precisamos de nos preocupar porque o mesmo pode até nem chegar. Julgo que o Serviço Nacional de Protecção Civil e Bombeiros devia já entrar em campo para, com medidas de sensibilização, educação e materialização de alguns procedimentos, ajudar a mitigar os eventuais efeitos que se esperam. Acho que os governos provinciais deviam arregaçar as mangas por causa das famílias que se encontram a viver em áreas onde o risco está sempre à espreita. Não precisamos de esperar pelas chuvas para tomarmos as medidas que se impõem numa altura em que as previsões e a época em si aconselham a tomadas de medidas mais prudentes. Às famílias, apelo que prestem mais atenção aos menores porque nestas situações acabam sendo as mais vulneráveis.
    Abreu do Carmo | Panguila

    Diálogo e concertação
    Sou estudante do ensino médio e escrevo pela primeira vez para o Jornal de Angola para falar de diálogo e concertação. As autoridades do sector da Educação e os sindicalistas encontram-se a dialogar  para a busca de uma plataforma de entendimento para resolver problemas pendentes. Tenho estado a acompanhar os desenvolvimentos noticiosos em torno do braço de ferro entre o Sindicato Nacional dos Professores (Sinprof) e as autoridades que superintendem o sector da Educação. E estou a gostar da forma como tem sido a interacção porque, basicamente, a compreensão, a motivação para o diálogo e concertação, continuam a imperar como premissas importantes. Espero que estes exemplos de diálogo e concertação entre aquelas duas entidades ajude a outros intervenientes, em casos semelhantes, a actuar em conformidade com as leis, valores e tradições do país. O país precisa que as pessoas, colectivas e singulares, dialoguem mais para melhor resolverem os principais problemas e desafios. O diálogo e a concertação são ferramentas sempre acessíveis, pelo menos para pessoas interessadas e disponíveis para a resolução pacífica de diferendos. Trata-se de um dispositivo que nunca devia ser colocado de lado.
    António Martins | Rocha Pinto

    Dia da RNA
    Há dias, celebrou-se mais um aniversário da RNA e gostei sobretudo da realização do Top dos Mais Queridos, em que se sagrou vencedor o compositor e intérprete, Kyaku Kyadaff. O grupo RNA está de parabéns pelo serviço público insubstituível que as várias emissoras do grupo realizam e pelo valor agregado ao processo de formação, informação e entretenimento. O surgimento das emissoras locais como a Rádio Cazenga, Rádio Viana e Rádio Cacuaco, apenas para mencionar estas, desempenham um papel muito importante. Gostava que  iniciativas semelhantes fossem criadas para localidades  longínquas de Luanda, onde as populações precisam também de ouvir o sinal da RNA. Enquanto não surgem as  rádios comunitárias, que serviriam para limar as arestas que se registam ao nível de uma "rádio mais local", julgo que a extensão do sinal ou a criação, por exemplo, da Rádio Quiçama não ficaria nada mal.
    Palmira Ceita | Prenda

  • “Cumprido apenas um ano do meu mandato como Presidente da República, é prematuro estar a fazer um balanço exaustivo de tudo o que já foi realizado, mas creio que se tornou claro que o Executivo está a tomar as medidas consideradas essenciais para melhorar o que está bem e corrigir o que está mal”
    João Lourenço |Presidente da República

    “Devemos todos estar conscientes de que se trata de um processo que exige algum tempo para se afirmar e consolidar, sobretudo quando muitas destas medidas afectam ou neutralizam poderosos interesses instalados”
    Idem

    “Salários baixos não geram produtividade”
    Guilherme Silva | Secretário geral do Sinprof 

    “Não acredito que o Reino Unido e a UE estejam  longe (de um acordo). Ambos concordamos que o Artigo 50 não pode fornecer a base legal
    para um relacionamento permanente”
    Theresa May | Primeira-ministra britânica 

    “Continuaremos  a  contribuir  para fortalecer  o processo democrático  do país, com bons  exemplos e práticas  na sua função  legisladora ”
    Fernando  da Piedade Dias dos Santos | Presidente da Assembleia Nacional  

  • Manhã de segunda-feira, 15 de Outubro de 2018. O calendário nos remete para a Constituição da República de Angola. Em cumprimento do disposto no seu artigo 118º, o Presidente da República falou na Assembleia Nacional sobre o estado da Nação. João Manuel Gonçalves Lourenço discursa pela segunda vez na condição de Chefe de Estado no espaço em que o poder do povo se concretiza e onde já exerceu as funções de deputado, presidente do Grupo Parlamentar do MPLA e vice-presidente do Parlamento.

    Luísa Rogério

Tempo

você e o jornal de angola

PARTICIPE

Escreva ao Jornal de Angola.

enviar carta

Multimédia