Citações

Citações


Se não se faz nada, se não se sanciona, não se pune, não se processa, não se condena aqueles que têm sinais muito evidentes de terem sido corrompidos, é evidente que os outros farão o mesmo
João Lourenço- Presidente da República

Estamos a construir o nosso próprio espeto de liberdade e garantias, direitos e deveres do cidadão, no que à liberdade de imprensa diz respeito, e é um processo que nunca termina
Celso Malavoloneque - Secretário de Estado da Comunicação Social


 
Não é verdade que a Procuradoria-Geral da República não terá acusado bem o general Nunda, no universo de pessoas acusadas, o grosso foi pronunciado.
É normal

Mota Liz - Vice-procurador-geral da República

A escola que apenas ensina a ler e a escrever já está a ficar para trás. Hoje, estamos num mundo moderno
e temos de acompanhar a evolução e as expectativas das crianças e das suas famílias

António Pacavira - Presidente da Associação Nacional do Ensino Privado (ANEP)                     

A imprensa goza de uma posição preferencial no nosso sistema constitucional, não para lhe permitir que ganhe dinheiro, nem para converter os jornalistas num grupo favorecido, mas sim para se dar cumprimento do direito público
a saber

Frederico Cardoso  - Ministro de Estado e Chefe da Casa Civil do Presidente da República

Mais Citações

  • Luanda está cada vez mais suja, com o lixo, em várias zonas, a transbordar dos contentores imundos, num atentado à estética e saúde pública, com responsáveis pela situação com funções e nomes definidos.

    Luciano Rocha

  • “O combate à corrupção é de todos  e não apenas dos órgãos de Justiça.”
    Hélder Pitta Grós, Procurador Geral  da República

    “Se  com poucos meios conseguimos concluir processos complexos e introduzir em juízo, na medida  em que  os meios forem aumentando vamos ter  também um trabalho  feito  com melhor qualidade.”
    Idem


    “Devemos  encarar com seriedade a violência  que paira no seio das famílias. Por isso, defendemos a revisão da Lei contra  a Violência Doméstica.”
    Luísa Damião
    Vice-presidente do MPLA


    “Somos  um sindicato  que sempre reage  às acções negativas. Creio que a sociedade  sabe  como é que agimos  quando há injustiças  em relação aos professores”
    Hermínia Ferreira do Nascimento
    Secretária  do Sindicato  Nacional dos Professores (Sinprof)


    “Hoje está claro que aquilo que se dizia da delapidação  do erário público, das burlas e do peculato, já não é segredo para ninguém.”
    Adérito  Candambo
    Secretário provincial  da UNITA no Bié


    “Para o PAIGC, o momento actual  é de extrema gravidade e exige responsabilização política  e criminal, razão  pela qual  o procurador geral da República  e o comissário geral  da Polícia de Ordem Pública  devem ser imediatamente demitidos”

    Comunicado  do PAIGC, em reacção  à suspensão  do recenseamento eleitoral decidida  pelo Ministério Público da Guiné-Bissau 

  • A Livraria Lello

    Tenho saudade da Livraria Lello que vendia livros de diversa natureza. A Livraria Lello fechou, não sei por que razão, e se transformou num depósito de lixo. Não consigo acreditar que num país que precisa de bons quadros não se incentiva a expansão de livrarias. A Livraria Lello era visitada por muita gente.  Moro próximo da ex-Livraria  Lello e fiquei triste  quando este estabelecimento encerrou as portas. Temos no país poucas livrarias. Dizem-me que devo ir a superfícies comerciais comprar livros.
    Será que essas superfícies comerciais têm os livros de que eu preciso? Será que uma superfície comercial entende de livros? Que eu saiba  os livreiros têm um conhecimento específico sobre livros.  Que se incentive os empresários a apostar no negócio dos livros, para bem dos nossos estudantes e quadros já formados. Já agora  gostava que os governantes pensassem na redução dos impostos que recaem sobre a importação de livros.  
    Filomena João
    Ingombota 



    Obras inacabadas
      

    Temos em várias partes da cidade de Luanda obras que não são concluídas. Era bom que as autoridades competentes dessem uma explicação sobre as razões por que muitas obras  andam paradas. Há ainda os casos de edifícios que já foram  uma referência em Luanda, como o Hotel Panorama, mas não foram reabilitados ou privatizados. Se o Estado não tem capacidade, por exemplo, para reabilitar o Panorama ou um novo Hotel Turismo, deve promover concurso público para que algum privado possa fazer aquilo que as autoridades não estão em condições de fazer. O Estado não deve fazer tudo. Sei que há um programa para privatizar empresas públicas.
    Que  o Estado se livre de actividades para as quais não está vocacionado. Temos de ter um Estado que não intervenha demasiado na economia e deixar que os privados aqueçam a economia, por via de empresas rentáveis. Estamos numa economia de mercado, em que o Estado deve deixar de ser também empresário ou comerciante. O Estado deve concentrar-se na edificação e reabilitação de infra-estruturas, como estradas, linhas férreas, pontes, para que haja muita actividade produtiva.   

          
    Gervásio  António
    Rangel


    Eleições no Congo Democrático

    Sou angolano e vivi na República Democrática do Congo durante muitos anos. Saí de Angola devido à repressão colonial e refugiei-me no Congo Democrático (que  então se chamava  Zaire). Estudei e trabalhei no Congo Democrático e muito do que sei hoje devo-o ao que aprendi em escolas deste país.
    Escrevo esta carta para apelar aos irmãos do Congo Democrático para se unirem no sentido de organizarem eleições livres e transparentes, com vista a que haja definitivamente estabilidade política na RDC.
    Sem estabilidade política não se pode resolver outros problemas.  É necessário que as instituições do país funcionem com normalidade, para se fazer face aos  complexos problemas que o Congo Democrático enfrenta. O Congo Democrático é um país  com grande potencial  económico. Havendo paz no Congo Democrático, o seu povo poderá construir um país próspero.
    Que os políticos congoleses  tenham consciência de que é elevada  a sua  responsabilidade. O povo congolês e a comunidade internacional  querem uma RDC  com paz e segurança. 
    Emílio Dongala
    Bairro da Mabor   

  • A presença de Angola na Feira Comercial Intra-Africana, primeiro evento do género em África, é uma oportunidade que deve ser aproveitada com a necessária valorização da presença do nosso país numa plataforma com enorme potencial para que sejam compartilhadas informações relacionadas à economia, nomeadamente o comércio, mercado e investimento.

    Eduardo Magalhães|*

Tempo

você e o jornal de angola

PARTICIPE

Escreva ao Jornal de Angola.

enviar carta

Multimédia