Citações

Citações

“É  necessário não confundir imigrantes ilegais com aqueles que são portadores de estatuto de refugiado, que devem merecer toda a nossaprotecção”
Pedro Sebastião | Ministro de Estado e Chefe da Casa de Segurança  do Presidente da República, que negou, haver violência contra imigrantes ilegais, no âmbito da “Operação Transparência”

“Não há violação. Algumas pessoas queriam mostrar resistência. Não queriam sair do garimpo e foram apanhadas à força. Nós saímos livremente  e deram-nos  transporte”
Justino Ndambasi |  Cidadão do Congo Democrático , que entrou clandestinamente em Angola


“Na altura em que me preparava para sair de Angola, alguns jovens queriam receber as minhas coisas, mas a Polícia não deixou”
Idem

“Estes actos  configuram  sem sombra de dúvida, e independentemente da sua motivação,  uma grave violação dos direitos humanos, designadamente  os direitos da segurança, liberdade e voto, informação, integridade física, moral e psíquica”
Domingos Simões Pereira | Presidente do PAIGC

Mais Citações

  • “África precisa vencer três grandes desafios, para poder desenvolver-se: acabar com o analfabetismo, electrificar-se e industrializar-se. Precisamos alterar o estado das coisas” 

    João Lourenço, Presidente da República   

     

    “Os quadros superiores, os cientistas e investigadores, as valorosas peças de arte, a matéria-prima em estado bruto e até fortunas pessoais que deviam servir as nossas economias continuam a sair de África para o resto do Mundo em condições desfavoráveis” 

    Idem 


    “Identificámos  mais 700 casos de exploração industrial ilegal e assim que as condições estiverem reunidas apenas algumas poderão voltar a funcionar” 

    Nganga Júnior, Presidente do Conselho de Administração da ENDIAMA


    “Ao nível da empresa, não nos vemos a assumir uma responsabilidade dessas que pressupõe, na prática, um aumento de 95 milhões de kwanzas por mês e cerca de um bilião e meio por ano do fundo salarial”

     Júlio Bango PCA dos Caminhos-de-Ferro de Luanda (CFL)


  • A entrevista do embaixador angolano na Alemanha ao Jornal de Angola, publicada na segunda-feira, mesmo sem grandes revelações, motivaram, como é normal, nesta altura de maior liberdade de divulgação de ideias, reacções diversas.

    Luciano Rocha

  • A cidade encheu-se de juventude, arrumadinha sem fazer engarrafamentos porque estava tudo nos passeios das ruas. Afinal as batas brancas que uma vizinha minha pendurara nos cabides tinham uma razão de ser.

    Manuel Rui

  • Crimes na família  

    Escrevo para falar com tristeza sobre o que se passa com as nossas famílias, numa altura em que alguns dos crimes mais hediondos são infelizmente cometidos no seio familiar. Ao contrário do que seria de esperar, mulheres, velhos e crianças que deviam encontrar maior protecção no seio familiar acabam por estar mais expostos à criminalidade. Acho que a colaboração com a Polícia Nacional deve intensificar-se para que as queixas a partir da vizinhança se efectivem com a rapidez que permita salvar vidas. Há dias, um sociólogo defendeu que as famílias devem estar mais vigilantes para tomarem decisões perante situações ou sinais que revelem tendências para a violência. Uma relação caracterizada por actos de violência não pode ser tolerada sob nenhum pretexto. 

    Alda Guimarães, Vila Clotilde 

     

    Implementação do IVA 

    O processo que vai levar à implementação do Imposto de Valor Acrescentado (IVA) continua a dividir pessoas entendidas e, se calhar, pior para aquelas pessoas que, como eu, nada entendem sobre esse imposto. Escrevo como leigo na matéria e com a expectativa de que os peritos que estudaram e pretendem ver implementado esse imposto em Angola tenham plena consciência sobre as implicações e eventuais efeitos negativos do mesmo. Não vale a pena estarmos a copiar textos normativos de países que tenham o referido imposto apenas porque temos que o ter também aqui e sem criarmos as condições elementares para o funcionamento do IVA. Uma das coisas que oiço permanentemente dos economistas e estudiosos que entendem alguma coisa sobre esse imposto é que os processos que estão a levar à sua eventual implementação em Junho deste ano é a desorganização contabilística das nossas empresas. Pretendem essas personalidades que entendem alguma coisa sobre o IVA que se estendam mais os prazos para implementarmos esse imposto, atendendo que precisamos ainda de limar muitas arestas. É preciso que os formuladores de política económica e aqueles que decidem escutem não apenas os técnicos da AGT que trabalham arduamente para a implementação do IVA, mas que escutem igualmente as vozes que, fundamentadamente, defendem uma melhor revisão da legislação. Diz-se que  a legislação que vai reger a implementação do IVA foi um “copy e paste” das normas portuguesas, o que pode configurar um grande erro na medida em que as especificidades portuguesas não têm semelhança com Angola. Tal como já se tinha adiado a implementação do início do ano para daqui a seis meses, não custa nada voltar a repensar um eventual adiamento, porque é muito provável que não tenhamos ainda todas as condições criadas. Para terminar, gostaria que os técnicos que trabalham para a implementação do IVA sejam capazes de ouvir também o que os outros técnicos, que contrariam a implementação agora, têm como argumentos válidos. 

    Aurélio Fernandes, São Paulo

     

    Contos infantis

    Já muito se falou e escreveu sobre contos infantis, uma parte importante da literatura infantil que parece completamente abandonada. Não vejo, com muita tristeza no momento em que escrevo estas linhas, possibilidade alguma de interesse institucional e promoção dessa literatura. Ao que consta, grande parte da geração de escritores que se dedicavam à escrita para os mais novos estão com idade avançada, embora haja uma geração mais nova que procura dar os seus passos. Acho que a geração de Octaviano Correia, Dario de Melo, a saudosa Dra. Gabriela Antunes e Maria Eugénia Neto não está a ser devidamente substituída.

    Filipe de Castro, Samba


Tempo

você e o jornal de angola

PARTICIPE

Escreva ao Jornal de Angola.

enviar carta

Multimédia