Opinião

A luta persistente contra a pandemia de Covid-19

É do conhecimento de todo o mundo o elevado grau de letalidade da pandemia de Covid-19, que ninguém deve subestimar, sob pena de se perderem muitas vidas humanas.

Trata-se de uma doença que exige de todos o cumprimento rigoroso de uma série de medidas preventivas e o respeito pelas orientações que são emitidas pelas autoridades sanitárias. Temos todos de tomar consciência de que estamos perante um grave problema de saúde pública à escala global, cujas consequências têm sido acompanhadas no nosso país, por via dos meios de comunicação social.
Os meios de comunicação social têm transmitido a verdadeira dimensão da pandemia de Covid-19, que já causou uma crise económica mundial e que tem obrigado governos a fazer rectificações nos orçamentos dos respectivos Estados e a procurarem meios de financiamento da actividade produtiva, numa conjuntura complexa, de difícil sobrevivência para milhares de empresas.
O nosso país está igualmente a sofrer os efeitos da pandemia de Covid-19, tendo tomado oportunamente as medidas sanitárias de prevenção da doença para a salvaguarda da vida humana, um bem fundamental que deve ser protegido. Protecção essa que deve estar acima de outros interesses que não ponham em causa a saúde pública.
A actividade económica é importante para qualquer país, mas, nas actuais circunstâncias, só se deve desenvolver caso não coloque em risco milhares de vidas humanas. Estão bem os governos que seguem permanentemente as recomendações da comunidade científica relativamente ao controlo da pandemia, que diariamente tira em vários países a vida a pessoas de diferentes idades.
O Executivo angolano declarou a situação de calamidade pública, que substitui o estado de emergência, sem deixar entretanto, de tomar as medidas que ainda são necessárias para o combate à propagação do novo coronavírus. A guerra contra a pandemia de Covid-19 ainda não terminou. Mas a vida vai continuar, tem de continuar, dentro dos condicionalismos que a situação impõe, devendo os cidadãos absterem-se de comportamentos negativos, que possam prejudicar o trabalho que se tem feito para travar a propagação da doença. É hora de todos darmos provas de civismo, para nos protegermos da pandemia.

Tempo

você e o jornal de angola

PARTICIPE

Escreva ao Jornal de Angola.

enviar carta

Multimédia