Opinião

As relações entre Angola e Portugal

Angola e Portugal querem inaugurar uma nova era de relações que seja benéfica para os dois países, que têm muito a ganhar ao nível da cooperação económica e política. Os analistas políticos costumam dizer que Angola e Portugal estão condenados a se entenderem, porque têm muita coisa em comum para partilhar.

Angola e Portugal pertencem à Comunidade  dos Países de Língua Portuguesa,  que constitui um espaço de concertação  política, em que ambos os países podem dar contribuições  valiosas em vários domínios da diplomacia mundial, tendo em conta  as responsabilidades que têm nos respectivos continentes. O ministro das Relações Exteriores de Angola, Manuel Augusto, esteve recentemente em Portugal, onde conversou durante cerca de uma hora com o primeiro-ministro luso, António Costa, um encontro que está a ser interpretado como tendo marcado o início do processo de afastamento do clima de crispação entre os governos  angolano e português.
 Tratou-se de um encontro de alto nível, que mereceu  comentários  do Primeiro-ministro António Costa na rede social  “Twitter”. Vale a pena  citar o que escreveu António Costa no “Twitter”: “Recebi o ministro das Relações Exteriores de Angola num momento auspicioso para o relacionamento entre os nossos  países com o retomar das visitas de alto nível. A minha visita a Angola renovará o dinamismo dos laços que unem Portugal e Angola, os nossos povos e empresas”.
Os povos  angolano e português  têm  interesse em que as relações entre Portugal e Angola atinjam um nível que possa dinamizar a cooperação económica entre os dois países. Os portugueses têm empresas em Angola e angolanos têm capitais aplicados em Portugal.
É por isso do interesse dos empresários de ambos os países que  haja boas relações políticas e diplomáticas  entre Angola e Portugal, o que pode contribuir para impulsionar, por exemplo,  as relações comerciais. Angola e Portugal têm tudo para  estabelecer exclusiva e definitivamente uma relação de amor e não mais de ódio. Angola e Portugal têm condições para se constituírem num bom exemplo de cooperação, na base do respeito mútuo.
As autoridades angolanas e portuguesas compreenderam, no interesse dos seus povos e países, que era tempo de erradicar obstáculos  a  uma  boa convivência, numa  conjuntura mundial que requer muito diálogo, tendo em conta que há  muitos problemas que exigem o empenho de países de diferentes continentes.

Tempo

você e o jornal de angola

PARTICIPE

Escreva ao Jornal de Angola.

enviar carta

Multimédia