Opinião

Os empresários e a produção dos camponeses

Há empresas em Angola a optar pela compra de bens produzidos por camponeses, o que pode contribuir para potenciar a produção agrícola. Os grupos empresariais Orquídea e Avipal assinaram quinta-feira última um contrato-promessa com quatro associações de camponeses de Chinguar e Chitembo, província do Bié, para a compra de produtos de um valor de mais de 69 milhões de kwanzas.

Na verdade, se os camponeses tiverem compradores regulares dos seus produtos, eles estarão motivados a produzir mais para atender um eventual aumento da procura dos seus produtos.
Um cantor angolano lembrou-nos que “a terra tem tudo, a nossa terra dá tudo”, em alusão a um recurso natural - a terra - de extrema importância para a vida de muitos milhares de angolanos, que dependem exclusivamente, em termos de rendimentos, da produção agrícola.
Em Angola, chegou-se ao ponto de se importar produtos como o mamão, que se pode produzir em qualquer canto de Angola. Certamente que a alguém interessava a importação de bens que podiam ser produzidos no nosso país, não só em grandes fazendas, mas até em pequenas lavras.
Que os empresários, nacionais e estrangeiros, em particular os que estão ligados à indústria transformadora, acreditem que é possível, com baixos custos, rentabilizar os seus projectos produtivos, com recurso a bens produzidos internamente.
Que os camponeses continuem a organizar-se para poderem estar em condições de se adaptar aos novos tempos. Há a perspectiva de muitas empresas voltarem a funcionar e isso pode significar uma maior procura dos seus produtos.
O campo é um sector que pode contribuir, grandemente, para o crescimento económico. Angola, não é demais repeti-lo, já exportou no passado uma variedade de produtos agrícolas.
Tendo a natureza sido generosa para nós, dando-nos terras férteis, cabe-nos agora potenciar as terras, para combatermos a pobreza e para termos no país inúmeras fábricas que possam transformar os bens que saem do campo.
Acredita-se que a assinatura do referido contrato entre os grupos Orquídea e Avipal e associações de camponeses do Bié venha a incentivar outros empresários a seguir o mesmo caminho e, do lado dos camponeses, levar estes a investir, cada vez mais, na produção agrícola, o que pode gerar empregos e melhorar as condições de vida das famílias que vivem nas zonas rurais.
O campo pode, além de abastecer a indústria transformadora, distribuir pelo mercado uma grande quantidade de bens, o que pode fazer com que os preços dos produtos agrícolas baixem consideravelmente.
Que se criem condições para que os camponeses possam, na perspectiva de se produzir em grande quantidade, conservar, escoar e comercializar os seus produtos. Muitos camponeses desistem de produzir porque não têm garantias de os seus produtos serem absorvidos pelo mercado, porque não têm meios para chegar aos consumidores.

Tempo

você e o jornal de angola

PARTICIPE

Escreva ao Jornal de Angola.

enviar carta

Multimédia