Opinião

Os governantes e o combate à pandemia de Covid-19

A pandemia de Covid-19 tem levado governantes de todo o mundo a se concentrarem em tarefas que estão ligadas à prevenção e ao combate de uma doença que se propaga rapidamente e que já atingiu todos os continentes.

É hoje normal ver nas televisões de todo o mundo governantes a transmitirem mensagens que vão no sentido de as pessoas seguirem as instruções necessárias para se travar a propagação da Covid-19.
O facto de os governantes de vários países e do mais alto nível aparecerem em canais de televisão a falarem da necessidade da prevenção dos perigos da Covid-19 não é um mero acaso.  A pandemia de Covid-19 é uma doença que está a matar muitos milhares de pessoas, mesmo em países em que há sistemas de saúde avançados. A Covid-19, pela sua natureza, está a levar ao colapso sistemas de saúde de países como a Itália e Espanha, que, a exemplo de outros Estados, não estavam preparados para enfrentar a referida pandemia.
Não estando nenhum país do mundo preparado para enfrentar uma pandemia como a de Covid-19, o importante agora é que se façam investimentos avultados na prevenção da doença e que os governantes continuem a transmitir mensagens que vão no sentido de as pessoas tomarem consciência de que vivemos momentos difíceis e que devemos respeitar as normas ditadas pelos governos para salvaguardar vidas humanas.
São muitas as mensagens que governantes de diferentes países situados nos vários continentes transmitem a muitos milhões de pessoas e elas têm tido um efeito positivo no comportamento das pessoas, nestes tempos de combate à Covid-19.
Os governantes em todo o mundo aperceberam-se de que devem estar, também eles , na primeira linha da campanha de esclarecimentos sobre os perigos decorrentes da pandemia de Covid-19.  O Presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, transmitiu aos seus compatriotas uma mensagem que chama a atenção para a gravidade da pandemia da Covid-19, e que vale a pena transcrever: "Estamos a viver momentos de excepção, num Estado de Emergência. Devemos ter sempre isso em mente, em todas as circunstâncias. Somos obrigados a adaptar a nossa vida, as nossas rotinas, os nossos métodos de trabalho, o nosso modo de expressar e manifestar afectos, ao estado de excepção em que estamos, para o nosso bem individual, familiar e colectivo."
Os governantes angolanos têm também apelado aos cidadãos para a assunção de condutas que ajudem a combater a Covid-19. Uma mensagem oportuna foi emitida pelo governador do Cuanza-Norte, Adriano Mendes de Carvalho, que , num acto alusivo ao 4 de Abril, Dia da Paz e da Reconciliação Nacional, afirmou: "A vitória sobre este 'inimigo invisível' só será possível com o acatamento das recomendações das autoridades competentes sobre a observância das medidas de prevenção". Que mais governantes emitam mensagens aos cidadãos, com maior frequência, para que haja menos comportamentos violadores das normas em vigor relativas ao Estado de Emergência.

Tempo

você e o jornal de angola

PARTICIPE

Escreva ao Jornal de Angola.

enviar carta

Multimédia