Opinião

O eixo franco-alemão não existe

Bernardo Pires de Lima |*

Há 60 anos que um alemão não presidia a Comissão Europeia. Na altura, pouco depois da assinatura do Tratado de Roma, da crise do Suez, da marcha soviética sobre Budapeste, a Alemanha Ocidental fechava o ciclo de reinserção europeia, pouco mais de uma década após a Segunda Guerra Mundial.

 A nomeação de Walter Hallstein para liderar a então Comissão na Comunidade Económica Europeia, ele que foi braço direito do chanceler Adenauer nas negociações de Roma, sinalizava ainda dois outros pontos, além da reinserção alemã: por um lado, uma visão de compromisso com Paris por passos no aprofundamento da integração europeia e, por outro, o triunfo da doutrina de isolamento da Alemanha de Leste, defendida por Hallstein. O alemão manteve-se no cargo entre 1958 e 1967, até o choque com o general De Gaulle e a ostpolitik do chanceler Brandt levarem a melhor. Desde então, nunca mais nenhum alemão presidiu a Comissão. Até Ursula Von der Leyen, que acaba de entrar em funções.
Isto não significa que Berlim não tenha sido preponderante nas escolhas e na sustentabilidade de vários presidentes, dinâmicas ajustadas com Paris que também ajudaram a definir os termos da acção europeia do eixo franco-alemão. Para não ser exaustivo, nem recuar muito no tempo, basta lembrar a importância dos alinhamentos entre o chanceler Kohl e o Presidente Mitterrand para o trabalho da Comissão liderada por Jacques Delors, num período de alargamentos comunitários (Portugal, Espanha, Grécia, Áustria, Suécia, Finlândia) e alterações sistémicas profundas (reunificação alemã, fim do Pacto de Varsóvia e implosão da União Soviética). Ou ainda entre Merkel e Sarkozy para a sustentabilidade da Comissão Barroso perante o grande alargamento (12 novos Estados membros em apenas três anos) e as várias derivações da crise financeira, com impactos no euro e sobretudo na coesão entre várias geografias europeias. O sucesso de Von der Leyen dependerá, como sempre, da saúde do eixo franco-alemão e da força política que este imprimir numa visão minimamente comum, mas acima de tudo de sucesso, para a União Europeia. A verdade é, porém, muito diferente: a relação entre Paris e Berlim é disfuncional no tempo político, desfasada no método e desconectada na ambição.
A grande disfuncionalidade resulta do timing político das lideranças. Enquanto Macron chegou há pouco tempo ao poder, ainda por cima na ternura dos quarenta, Merkel está há 14 anos na chancelaria e em ocaso evidente. Além disso, o Presidente francês, além da legitimidade política recente, tem uma maioria parlamentar confortável para lidar com os choques da legislatura. Em Berlim, a terceira versão da grande coligação está a ser literalmente disputada no congresso do SPD, com uma das candidaturas a propor o fim dos acordos. Economicamente, a estagnação francesa parece caminhar em paralelo com uma possível recessão alemã, cenário ainda mais complicado se a situação política se deteriorar em Berlim nos próximos meses. Foi precisamente para mascarar as disfuncionalidades existentes e as mais que ficarem expostas que Macron e Merkel lançaram há dias a enésima grande conferência sobre o futuro da Europa, ciclos intermináveis de debates e auscultações nacionais que ligarão a presidência alemã da UE (2º semestre de 2020) com a francesa (1º semestre de 2022). Vale a pena lembrar que no meio delas é Portugal que assume o primeiro semestre de 2021, o que exige articulação extra e um alinhamento estratégico com o eixo.
O desfasamento no método encaixa aqui. Só quem não está alinhado nas reformas imperativas da UE a curto prazo, sobretudo num quadro pós-Brexit, é que propõe um ciclo de discussões macropolíticas a três anos. O mesmo se passa na NATO, com o ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Heiko Maas, a lançar a ideia de um “grupo de sábios” para discutir o futuro da Aliança. Como escreveu Jan Techau, quando os alemães não sabem o que fazer, costumam lançar para cima da mesa a ideia de um grupo de trabalho para estudar o assunto (parece que, afinal, portugueses e alemães têm mais em comum do que parece). Não é, entendamo-nos, a ideia de um debate alargado que preocupa, mas a demonstração de falta de vontade e capacidade política para levar a cabo um roteiro já alvo de discussões intensas, diagnósticos espremidos, prescrições debatidas e anúncios engalanados. Se Macron é o espalha-brasas dos vários debates europeus (moeda única, alargamento, Rússia, defesa europeia, NATO, Islão), Merkel é a encriptada gestora de crises, oficialmente resignada ao statu quo comunitário.
A desconexão na ambição está aqui e é, actualmente, profunda e cristalizada. Declarações entre ministros das Finanças ou de Chefes de Estado em cimeiras bilaterais recorrentes não fazem delas roteiros de reforma política na Europa. A gestão das expectativas é também um problema político a resolver. O primeiro teste ocorreu a 3 e 4, na Cimeira da NATO em Londres, naquilo que se previa um turbilhão de tentações, com uns quantos aliados a quererem celebrar os 70 anos da Aliança sem querelas e, outros, a começar por Trump, passando por Erdogan e acabando em Macron, mortinhos por lançar lenha nas fracturas (e nas facturas, também) cada vez mais profundas. O segundo, no dia 9, em Paris, quando o modelo Normandia regressar após três anos, para tentar um caminho sério com a Rússia (espera-se que não condescendente) sobre a situação na Ucrânia. Sem a presença oficial da UE, Paris e Berlim têm responsabilidade partilhada no reforço dos roteiros de Minsk e na assertividade com Moscovo. O terceiro, quando o Conselho Europeu se reunir a 12 e 13, em cima das legislativas britânicas, para dirimir, entre outros assuntos, a recta final do próximo orçamento, a coordenação com a nova Comissão e a última fase da saída no Reino Unido, antes do período de transição começar.
Se pensavam que o ano já estava a dar as últimas, enganaram-se. A má notícia é que França e Alemanha estão longe de partilhar uma visão comum indispensável aos grandes desafios europeus que se aproximam. E este é, provavelmente, o debate mais importante para o futuro próximo de Portugal.
*Investigador universitário. Colunista do jornal Diário de Notícias

Tempo

você e o jornal de angola

PARTICIPE

Escreva ao Jornal de Angola.

enviar carta

Multimédia